domingo, 7 de maio de 2017

Saco de versos

Instante
Valença, 05 de dezembro de 2016


Eu quero o agora.
Não quero amanhã, mais tarde...
Não sou dono instante.
O tempo que me pertence é agora...
instantes depois não mais é minha posse.
Não quero me afogar nos segundos que não bebi.


Quero a palavra de amor
Quero o gesto de afeto
Quero o toque das mãos
Que durem esse instante
Porque esse é de fato meu...
... agora não é mais.


Mas aí vem outro é mais outro
O sangue pulsa no ritmo dos instantes que não me pertencem
Quando os consigo fitar


Dentro do peito
Só guardo comigo e de fato meu
O meu último instante
Esse sim, meu, preso, encarcerado
Definitivo.

O ponto final das angústias de todos os instantes que não consegui capturar.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Viver é a arte de se reinventar a cada curva

Nunca estamos prontos. Na vida, somos sempre uma obra inacabada. Quando pensamos que os planos estão todos traçados e que somos um carro preparado para percorrer todo um caminho sem maiores percalços, vem uma curva e nos joga para fora para lembrar que não existem estradas sem curvas, que não se formam bons motoristas em estradas tranquilas. E de fato, estamos aqui para nos formarmos como bons condutores. Enfim, a curva é necessária.
E daí, nós nos inventamos novamente e traçamos outra trajetória, construímos outro carro e amparando-nos em nossa resiliência. Superamos a dor, as perdas e retomamos a estrada até encontrar outra curva que nos jogue para fora porque a única coisa que é certa, nessa estrada, é a curva. Mas sempre dirigimos como se fosse uma eterna reta.
Viver é isso. É se reinventar curva após curva. A grande aprendizagem dessa jornada é se reinventar quando tudo acaba, quando a gente termina.
Quero crer que toda dor, toda aprendizagem nos conduz a um caminho único que é o do aprimoramento espiritual, que toda dor realmente vem do desejo de não sentirmos mais dor um dia. A dor pela qual optamos é produto da nossa ânsia de não mais senti-la. (Estranho, né? Mas faz sentido) Estar vivo é isso, um exercício masoquista em busca da libertação. Mas a dor, assim como a curva, é inerente a estrada. Sempre existirá.
Então, que a vida não nos poupe da dor, mas que com ela nos traga a sabedoria. Porque sofrer é inevitável, mas aprender é uma opção. E que vida nos traga as suas curvas.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Crônica de um dia nublado

Sim. Eu gosto de dias frios, dias nublados e morosos. Penso que eles são um convite a refletir sobre a vida. O calor, o sol, o movimento das coisas nos iludem com a sensação de que tudo vai bem lá nos mais recônditos cantinhos da gente, tudo flui, a vida segue seu ritmo furioso e inexorável. Nesse momento, esquecemo-nos do lugarzinho onde moram as coisas em nossa alma,  onde repousam nossas dores que, ainda que fiquem escondidas no sótão de nossa existência, ficam lá e esperam os dias frios, nublados e morosos.

Dia frio é dia de rasgar papel, trocar livros de lugar, achar objetos perdidos escrever crônicas. Dia frio é dia de se achar. Apropriada seria um crônica que começasse assim: “Um dia, em um dia nublado e frio, adivinha quem encontrei escondido dentro de mim? Eu! Vejam só, não me encontrava há tanto tempo que achei que havia me perdido…

Pois então, se tem uma coisa gostosa, essa coisa é ficar em casa em dia frio, ver um filme, ler um livro, repousar a cabeça no colo de quem sem ama, falar amenidades, rir de pequenas bobeiras… E quando der uma leve sonolência, deixar as pálpebras caírem como suaves cortinas de uma janela. Todavia, admito que dias frios não são tão legais com aqueles que ainda buscam sua JukeBox Gêmea, sua Playlist do Spotify gêmea… (Isso é uma longa teoria que desenvolvo sobre o fato de ser mais fácil conviver com uma pessoa que tenha um gosto musical parecido com o seu). Mas isso é para outro texto. O fato é que dias frios são sempre dias frios, sempre bem vindos aos contempladores da alma.

***
Enquanto escrevo, na minha lista de músicas, um canto gregoriano toca bem baixinho, escrevo, penso, vasculho meus baús, degusto um dia nublado de sexta-feira santa que desde que nasci foi amadurecido e preparado para ser consumido hoje, mais de 45 anos depois.

Esses momentos são assim, feitos para serem degustados. Escolha o que mais lhe agrada, com que se harmoniza mais e beba até a última gota porque depois do copo vazio, aquele ali você não bebe mais.


Bom dia nublado a todos!