domingo, 21 de outubro de 2018

A lógica (política) da janela e do peitoral

Os políticos, grandes mestres na arte de iludir (como se diz na música e adapatando: como pode querer que o político vá viver se mentir), são supremos na arte de nos quebrar as pernas e doar-nos muletas como uma benção de sua maravilhosa gestão. Mas outra habilidade deles é trocar o sofá da sala em que a mulher o trai e continuar com a mulher.
Por exemplo, consideramos que existam 100 pessoas na linha de pobreza ou seja, com uma renda familiar menor do que R$ 387,07. Isso é um "valor índice" referencial. Vamos então à solução do político: 1. Reduzir o índice alegando que houve ganhos sociais não monetizados diretamente e instabilidade econômica que asseguraram a ampliação do poder econômico das famílias. Isso justifica a revisão do chamado índice de pobreza.  Se o estado lhe oferece (sic) uma série de coisas que seriam compradas com dinheiro, logo, não precisa dispensar dinheiro com aquilo, logo, teoricamente, o que você ganha se amplia. É como alguém que ganha 1000 reais, mas que o pai paga a maioria de suas contas; quer dizer, teoricamente, ele ganha mais do que o cara que ganha 2000 reais, mas que tem 1500 reais de seu salário comprometido com dívidas. Dessa forma, altera-se o índice para baixo e, independente disso, se 50% das pessoas ganham 10 reais a menos do que 387, acabamos de tirar uma galera da linha de pobreza, mas que continua pobreza, Enfim, deixando-os miseráveis como sempre.
A outra maneira é oferecer algum benefício financeiro governamental (bolsas, auxílios etc). um benefício de 40 reais que se destine a uma família de 5 pessoas representa uma elevação de 8 reais na renda média mensal de uma família que estava abaixo da linha de pobreza (386, por exemplo) para 394,00. Pronto, eis uma política que tirou mais uma galera que estava abaixo da linha de pobreza.
Aplique essas estratégias maquiavélica e cálculos tortuosos a milhões de pessoas e potencialize a desgraça, faça essas pessoas se convencerem disso repetindo exaustivamente o tom messiânico da mentira. 
O cenário é o mesmo de antes, a janela mostra mesma cena, mas com o peitoral reformado.
Postar um comentário