domingo, 18 de junho de 2017

Essa tal felicidade sempre clandestina

Esse é o título de um livro de Clarice Lispector. Passei anos sem entender ao certo o que era exatamente isso, quando aos quase 46 anos, constato que toda felicidade é clandestina. Podemos entender que clandestino é todo aquela que  entra sem ser autorizado e, costuma a sair sorrateiro sem denunciar sua condição. A felicidade assim o é.
Há dias em que acordamos com uma invasão de felicidade injustificada. Uma sensação de "tudo-vai-bem" que a gente, acostumado a essa ausência se pergunta: o que vai bem? E se questiona, às vezes, que toda felicidade é alienante. No fim, esquece de curtir aquela sensação clandestina que invadiu nossa alma. Tenho medo que tenhamos desaprendido a ser felizes.
A felicidade também mora na memória. Muitas vezes, recordamos uma viagem, um encontro, um amor, umas palavras que nos fazem assomar enorme sensação de felicidade. Essa também é clandestina, mas que chegou porque, voluntariamente, deixamos as portas abertas e dissemos: olha, está aberta a porta. Se quiser dá uma passadinha, fica à vontade.
Outro dia, me peguei com as portas da memória abertas de uma viagem recente e a felicidade não titubeou, entrou pelos olhos, deu um pulo no coração, me inundou e vazou pelos olhos em que entrou. Porque felicidade é assim: quando volta senta me mesma cadeira que deixou vazia.
Por isso é preciso estar atento, desperto, pois, muitas vezes, não percebemos sua entrada perdidos na correria do dia a dia e se o fazemos, abandonamos a oportunidade de permitir que ela nos revisite em formas de momentos. Acordei assim, com as portas semiabertas e ela entrou enquanto dirigia (ela nunca escolhe hora para isso) e fui tomado de um prazer imenso. Deixei-a entrar, permiti que mostrasse imagens, histórias, músicas, gestos que um dia me fizeram muito feliz. E fui feliz de novo..
Precisamos aprender a lidar com essa tal felicidade, essa desejada clandestina que entra não sei quando, fica não sei onde e sai não sei por quê...
Por via das dúvidas, pelo menos eu, sigo com a porta entreaberta caso ela passe por aqui.

Postar um comentário