terça-feira, 17 de abril de 2012

O problema está com quem bate


Sempre ouvia minha amada e saudosa avó dizer que o mal feito fica pra quem faz e não para quem recebe. Lá na minha tenra idade, achava uma besteira isso. Afinal, a porrada dói em quem apanha e não em quem bate. Entretanto, foram necessários uns vinte a trinta anos para que entendesse que se dói em quem apanha, também cura em quem apanha. Já quem bate prossegue batendo. Acumulando desavenças, desforrando suas frustrações e suas doenças da alma nos outros. Quem bate segue doente, não cura.
O sujeito que ofende com palavras, com atitudes é assim por sua natureza. O ofendido é só mais um na sua lista, uma situação ocasional, esporádica. O ofensor não, ele prossegue sua rota de agressão, pois sua alma doente precisa agredir. A ferida que ele traz aberta não fecha, a doença que ele carrega não cura e ainda o consome sem ele perceber.
Achar que ele não é penalizado com isso é tolice. Ele é, só não o sabe. As pessoas se afastam, as pessoas o suportam, as pessoas só se aproximam por interesse já que se não for para se tirar um proveito, não vale a pena aguentá-lo. Os que ficam no seu entorno aguardam as viradas de mesa para, no devido momento, dar o troco, a porrada de volta. E assim perpetuam-se as eternas mazelas da alma humana.

Postar um comentário