terça-feira, 13 de setembro de 2016

Devemos ter medo é dos conceitos de bem

Antes de começar digo que isso aqui são só reflexões de um indivíduo que não consegue se enquadrar em nenhuma ideologia de forma imersa e plena. Cada uma delas tem alguma coisa que me atrai e outra que me repele. E assim, nos mantemos a uma distância segura e relativamente livre de sua manipulação.
Sei que corro o risco de reprovação (E talvez textões, essa espécie de diarréia verbal do mundo virtual e de suas redes), mas me arrisco a pensar fora de um X-ista qualquer. Normalmente, esses episódios de verborragia são produtos de uma séria deficiência de leitura, logo, não merecem resposta, mas ajuda... Ah sim... não a minha. 
Creio que parte dessa confusão começou em uma leitura facciosa da declaração dos direitos do homem e do cidadão (1789).
Tudo começa com "Les hommes naissent et demeurent libres et égaux en droits" (os homens nascem permanecem livres e iguais em direitos). Em um texto de 17 artigos, a palavra direito aparece umas 14 vezes e, em nenhum momento, a palavra dever. O que, de certa forma, constitui uma falha de silogismo uma vez que são coisas indissociáveis, afinal, o meu direito de estar vivo passar pelo seu dever de não me matar.
Entretanto, a leitura tortuosa que se fez nos faz supor que todos nós somos seres privilegiados por uma infinidade de direitos e dívidas da sociedade que antecedem a nosso nascimento e independentemente de nosso zelo com os nossos deveres, os direitos estão sempre ali, para sempre, ad aeternum et semper. A atual geração ressuscitou essa tortuosidade lógica e perpetua todo tipo de barbaridade comportamental com base nisso.
Somado a isso, existe o direito seletivo unilateral, uma bizarrice da atualidade, garantida por algumas correntes ideológica. Constitui esse no direito de ser ouvido e de fazer tudo que se considera (sic) para o bem o povo (sic de novo). Tudo isso vem mergulhado em teorias e filosofias messiânicas que trazem consigo o conceito de bem supremo e comum de coletividade, mais ou menos como foram também o nazismo e o fascismo. Muitos entoam o mantra Tudo no Estado, nada contra o Estado, e nada fora do Estado.  É a anulação absoluta do indivíduo em nome de uma ideia de coletivo. Todo aquele que destoa e questiona a ordem (o bem supremo) é uma ameaça ao coletivo, logo, uma representação da oposição ao bem é... Isso! O mal. E contra o mal todo recurso é legítimo, inclusive a chamada violência do bem, aquela que atende os meus interesses, a que não atende é nociva, opressora... enfim, do mal.

Vejo muito jovens gritando contra um mal e levantando estandartes do bem, invocando para si a ideologia redentora e salvadora na nação brasileira. Eles elegem inimigos e fomentam o ódio e o preconceito contra todos que pensam diferente. Escondem essas atitudes por trás de discursos de tolerância e coexistência ideológica, mas na verdade, alimentam a agressividade, intolerância e ódio a todo e qualquer um que ouse questionar o seu conceito de bem.

Sei que são bem intencionados, querem o bem de seu país e que toda forma de meio espúrio que empreguem é em nome de um bem maior, seu povo, sua nação... Mas o meu grande medo é esse. Assim pensava a juventude hitlerista, a juventude fascista e toda forma de manifestação social que acabou no que acabou... Eles nunca visaram ao mal, mas a um conceito de bem de forma muito pessoal.

O resto da história conhecemos.


Postar um comentário