quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Diário de um macho


Aquele era um macho legítimo. Acordava pela manhã, cuspia no chão, arrotava, peidava e fazia aquele som de puxar o ar para dentro com biquinho e dizia "gostoooooosa" quando passava uma mulher. Isso, logo cedo. E logo cedo para ele era na hora do Globo Esporte. Afinal, macho que é macho não acorda antes das 11. Entrava no seu facebook e atualizava com fotos de mulheres nuas (ou seminuas), inseria testes para averiguar a macheza de qualquer um que quisesse se aproximar dele. Afinal, perto dele, ele só queria mulher pelada, mas muito mais do que isso, amigos machos. Mandava piadas para toda a sua rede sobre o que é ser macho, como é bom ser macho, como é supremo ser macho, ser macho é tudo de bom. Queria gritar do telhado a alegria de ser macho, mas isso não era coisa de macho.
Quando abria a boca falava que o seu negócio era cerveja, mulher, futebol e, claro, ser macho. Como gostava de ser macho. Na academia, ele se realizava, pois ali, se sentia em casa, mulheres de calças justas e machos, muitos machos, como era bom se sentir entrosado com o meio. 
Tinha nojo de filosofia, arte, cultura, música erudita, livros e coisa do gênero, pois, afinal, isso tudo era coisa de viado mesmo e viado ele tratava era com um murro na boca e um chute no peito. Bastava olhar para ele e isso lhe dava as razões de que precisava. Macho que é macho bebe cerveja, assiste ao futebol, dá porrada e só fala de mulher e mesmo assim somente com outros machos. Pois macho que é macho anda com macho, muitos machos, machos fortes, sarados e suados, como ele. 
Um dia, seu irmão, também muito macho (óbvio), encontrou escondida embaixo de sua gaveta, em um fundo falso, uma revista G Magazine e um bilhete escrito “Jorge, você não sabe como dói ter por amizade quem se quer ter por amor. Assinado, Pepê”. O irmão achou estranho, afinal quem era o tal de Jorge que o irmão dele mencionava na dedicatória na capa da revista em letras meio trêmulas? Mas não comentou nada, nunca, com ninguém. Afinal, ficar fuçando nas coisas dos outros era coisa de viadinho e ele não queria decepcionar o seu irmão. E falar com o irmão sobre isso então nem se fala... não era coisa de macho mesmo.

P.S.: E macho que é macho nem se ofende com essa história já que ficar lendo bloguezinho cheio de letrinha, sem figurinha, sem foto de mulher pelada não é coisa de macho.. é coisa de viadinho.
Postar um comentário