domingo, 2 de agosto de 2015

Meu ideal também seria fazer isso, Mestre Rubem..

Em 1967, Rubem Braga publicou uma crônica chamada “Meu ideal seria escrever” que reflete todo o anseio daquele que quer mudar alguma coisa no mundo. Não se trata de mudar o mundo já que isso é de uma pretensão absurda, uma vez quem nem mesmo conseguimos mudar pequenos maus hábitos de nós mesmo. Mudar algo no mundo é alterar o espírito de certas coisas que, por fim, gerariam uma reação em cadeia mudando o espírito de outras e outras e outras.
Pois eu também tenho como ideal escrever uma história tão engraçada e espirituosa que aquela moça que está lendo da tela do smartphone dentro do ônibus, cansada, estressada, além da idade do viço da juventude e ainda amargando a solidão de um jantar com comida de microondas, esquecesse os amores que se foram, que não deram certo e abrisse um sorriso leve que a libertaria por alguns instantes de um gosto de fel nas memórias.
Que um casal, no restaurante, fechado, sisudo depois de uma briga, quebrasse o gelo e dissesse um ao outro: um amigo meu falou de uma crônica interessante que leu hoje cedo. O homem digitaria na tela do tablet que estava na pasta e a mulher leria. Subitamente, um sorriso se abriria e uma gargalhada o seguiria. O homem leria depois e esboçaria a mesma reação. Nesse momento, nem lembrariam o motivo da rusga e seguraria nas mãos um do outro com um olhar “desculpa como fomos idiotas”.
Nas filas, nos hospitais, nos consultórios, todos procurariam um meio de ler a tal crônica que tinha o poder de mudar as coisas ainda que fossem por um segundo, com um sorriso. Nas cadeias, o boato sobre o texto já tinha chegado e os presos, buscavam os celulares escondidos para ler a tal história que passariam de mão em mão. Outros, menos favorecidos pelo recurso, passariam de mão em mão uma folha de A4 amassada com a história mágica impressa com falhas nas letras por um tonner em fim de vida.
E que a história se espalhasse pelo mundo sendo traduzida inúmeras vezes no Google Translator e contada aos quatro cantos do planeta, compartilhada pelo facebook e com o link espalhado pelo twitter. E que em um ônibus no Nepal, um monge, ao ouvir a história contada por um passageiro diria que nunca ouviu história melhor. Só poderia ter sido escrito por um espírito evoluído nesse planeta. Uma história que escapou de suas memórias quando se encontrava em um plano espiritual mais elevado.
E quando alguém me perguntasse em um post de onde tirei essa história, diria que recebi em um email ou li em algum site que já não mais está no ar. Tudo isso, indicado por um colega que compartilhou o link no Google Plus, mas que agora está dando erro 404 - page not found.
Não diria a ninguém que fui eu quem inventei essa história em um só instante quando pensei na sisudez e na tristeza daquela moça que vai com a cabeça baixa no ônibus, lendo a tela do celular e pensando se o melhor hoje seria lasanha ou escondidinho de carne… congelados.

Pois é, Rubem Braga, mesmo quase meio século depois, o meu ideal também seria escrever isso, por isso fiz essa paráfrase em sua homenagem, grande mestre das palavras.




Postar um comentário