segunda-feira, 12 de março de 2012

Aprenda a amar sua solidão


Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite  
(Clarisse Lispector)

A solidão é a única coisa que nos é legítima e ainda assim, passamos a vida nos embriagando com a ideia de que temos amigos, temos família, temos lugar, temos rótulos que nos agregam e inserem em algum lugar, em algum grupo. Entretanto, a vida é um quarto escuro em que entramos sozinhos, somos tateados, abalroados, trombados, amparados por mão que não são nossas e que não possuem compromissos a não ser com elas mesmas. Quando chegamos à porta de saída, abrimo-la e batemo-la, sozinhos. Do jeito que entramos.
Aprendemos tudo, menos o fato de que a única companhia que nos será certa somos nós mesmos. Iludimo-nos. Amigo é questão de momento, conveniência e ocasião e os ventos mudam mais rápido do que imaginamos. Família são sócios nossos nessa prisão de carne chamada corpo, mas também comprometidos e presos as suas próprias celas de matéria orgânica. Lugares não são nossos, são do mundo. Ocupamo-los e temos que entrar praticando o cotidiano exercício de deixá-lo no minuto seguinte. E os rótulos, esses são as maiores ilusões, bastiões de toda vaidade e segregação. Iludem-nos com a ideia de que somos algo completamente diferente do que somos.
A vida é isso. Entrar e sair de uma porta. No mais, é ilusão. É uma imensa confusão nascida numa discussão esquizofrênica de quem somos, com quem pensamos que somos e com quem os outros imaginam que somos. 

Postar um comentário