sábado, 13 de agosto de 2011

Tragédia em um ato: a insuportável felicidade

Clara era tão feliz, sua vida era tão certinha que, às vezes, dava-lhe uma angústia permeada de um sentimento de compaixão. Como podia ela ser tão feliz em mundo com tanta infelicidade. Como poderia suportar um marido que não tinha amante, não lhe batia, nem ao menos chegava em casa embriagado de madrugada. Mas era isso. Nada lhe restava para lamentar nas reuniões de amigas. Nunca precisara de um ombro para chorar e lhe dizer: Clara, esse homem não te merece. Nada. Nada. 
Nada lhe faltava, amor carinho, atenção, dinheiro... Nada, nada... Os filhos, perfeitos, como a natureza prouvera, eram jóias às quais se dedicava. Já na adolescência, só traziam orgulho para casa. Os filhos das amigas davam os desgostos tradicionais, as rebeldias, as drogas, as más companhias, enfim, o pior da idade. E ela se via relegada ao silêncio quando as mães choravam as suas amarguras. Sentia-se covarde e envergonhada de usufruir de tanta paz no meio de tanto desequilíbrio. Um dia, numa bela manhã de domingo, saiu para fazer uma caminhada, num arroubo de culpa jogou-se debaixo de um caminhão. Morreu no local. Em seu bolso, um bilhete sujo de sangue trazia um recado, últimas palavras, escrito a lápis: morro porque não suporto tanta felicidade.

Postar um comentário