sábado, 26 de fevereiro de 2011

Precisamos passar por experiências idênticas para aprender?

Dizem que inteligente é quem aprende com os próprios erros e sábio é aquele que aprende com os erros dos outros. Escrevo isso por causa de um comentário de uma amiga de internet (Luisa) deixado no Saco de filó, outro dia, e que me fez pensar bastante. Dentre as palavras dela, uma frase me chamou atenção: "...é preciso passarmos por muitas experiências idênticas, para termos consciência..."
Pensei nisso, várias vezes no dia e constatei que é fato. Experiências são repetidas em sua essência. Não creio haver mais do que 2 ou 3 experiências diferentes em toda a vida quando se trata de sua essência. A traição, a mentira, o logro, a dano pessoal são formas de variantes de uma mesma ideia, tudo gira mais ou menos interligado entre si. Quando caímos no mesmo erro é porque ignoramos que, na essência, esse engano era igual ao outro que acabamos de cometer.
E a vida é engraçada, pois nos expõe repetidamente ao estímulo para que se fixe o entendimento. E quando superamos e achamos que cessou o processo, reinicia-se com uma nova variável do mesmo fato. Como se nos dissesse: olha, isso também pode acontecer do mesmo jeito por esse caminho, entendeu?
Sim. Entendemos. Só isso?
Não. Respire fundo que daqui a pouco tem mais. Uma (ou várias) oportunidades de aprender em um mesmo dia. Todas elas somadas nos dão a leitura do mundo e das coisas que são realmente relevantes durante essa curta passagem por aqui.
Postar um comentário