quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Presidente ou presidenta? Dilma será o quê?

Alguns órgãos oficiais, que nem de longe podem ser denominados autoridades para falar sobre Língua Portuguesa, se apressam em emitir as opinões mais estapafúrdias possíveis se valendo em argumentos que, longe de embasarem a teses, provocam risos nos estudiosos do idioma.
O fato é que presidente é um substantivo cujo gênero pode ser definido como Comum de Dois, ou seja, prestam-se a definir tanto ao sexo masculino como feminino mudando-se apenas o seu dêitico (artigo ou pronome que o antecede). Seguem estes exemplos palavras como dirigente, assistente, pedinte, contribuinte, presidente entre outros casos. Todos esses casos se assemelham em sua formação por serem compostos por um radical verbal (dirig-, assist-, ped-, contribui-, presid-) mais o sufixo –nte que indica aquele que exerce a ação de algo.
Dessa forma, não existe o termo presidenta, assim como não existe o termo assistenta, contribuinta, dirigenta, pedinta e outros. O fato de Dilma ser a primeira mulher presidente do Brasil não justifica a flexão já que outras mulheres foram dirigente, assistente, pedinte, contribuinte e nem por isso se fez necessária a flexão nominal de gênero onde ela não existe.
Mais uma vez, pipocam pessoas emitindo opinião sobre assuntos que desconhecem ou sobre o qual sabem muito pouco. O grande problema com relação à língua é exatamente esse, muita gente acha que, porque fala, sabe sobre ela.

Veja bem, eu, por exemplo, tenho dentro de mim um monte de órgãos que uso todos os dias, mas não me considero um especialista em nenhum deles e me sinto desconfortável em emitir opiniões técnicas sobre os mesmos.

----- X ------
Em razão de alguns comentários agressivos, quero deixar claro que não me revoltei com o resultado das eleições, que não tenho nada contra Dilma Roussef, mas que gostaria de suscitar uma questão lingüística e não política. Sei que esse tema (política) mexe com paixões e resguardo-me o direito de publicar comentários que se atentem à discussão lingüística.


Prof. Marcelo Leite
Doutor em Língua Portuguesa pela UFRJ

Postar um comentário