sábado, 20 de novembro de 2010

Manifesto do homem branco quarentão classe média

Fala-se de crise da menopausa para mulheres, fala-se de direitos da infância e defende-se com afinco os idosos. Luta pelos direitos dos animais, dos sem terra, dos índios, dos afrodescentes, das ararinhas azuis e do jacaré de papo amarelo. Mas o fato é que há uma espécie que, entra ano sai ano, entre governo e sai governo, tem o seu couro arrancado para manter partidos políticos no poder: é o homem branco quarentão de classe média, doravante, HBQCM. 
Normalmente com um bom nível de formação, o HBQCM é encontrado trabalhando durante o dia e alguns durante a noite também. Possuem hábitos poucos saudáveis e por conta da jornada de trabalho pesada para ganhar dinheiro e ainda sustentar a carga tributária do Estado, ele está sujeito a problemas cardíacos que costumam a encurtar sua existência de contribuinte mais cedo.
Quando conseguem tempo para fazer exercício, são desprovidos de preocupações estéticas, fazem-no para evitar o infarto. Eles têm dentro da sociedade nossa dois direitos bem definidos e defendido por todos: o direito de trabalhar em 3 turnos sempre que possível e o direito de pagar 1/3 do que ganham para o Estado. Sendo esse segundo, um direito pessoal e intransferível.
Se divertem pouco, não tem direito a vagas especiais nem cota de nada em lugar algum. Não podem furar fila, nem seus processos são julgados com nenhuma prioridade. Aposentam-se mais tarde do que todos, se viverem até lá, e, se tiverem sorte, conseguem tocar o barco até o fim de seus dias em sua casa financiada pela caixa em suaves 240 prestações.
O HBQCM é encontrado em saunas de clubes e peladas de fim de semana. Com suas barriguinhas estilo caneta de liquid paper bebem água resfolegando no intervalo de uma pelada e outra e acabam indo para o bola murcha do fantástico um dia.
O HBQCM que cai na real aprende que duas garotas de 18 ou19 anos olhando para ele de longe é sinal de que elas estão achando-o com cara de pai/tio de alguma amiga delas ou, se você é professor, você deu aulas  para elas e não está lembrando. Se houver uma abordagem de conotação sexual, prepare para ouvir as palavras: "completa é 200 reais e não beijo na boca de cliente, tio."
Enfim, o HBQCM, esse injustiçado e esquecido da sociedade cuja lembrança do governo por ele só se dá uma vez por ano e tem prazo até abril, senão paga multa sobre o imposto devido.

Marcelo
39 anos, 5 meses.
HBQCM assumido de uma vez
Postar um comentário