sábado, 17 de outubro de 2009

Os males de sempre dizer "sim"

Sabe quando perdemos um amigo? Não é quando dizemos "não", mas quando dizemos "sim" quando deveríamos ter dito "não". Temos uma eterna (e vã) esperança de estarmos bem com todos o tempo todo e por causa disso vivemos violentando a nós mesmos e amargando o imenso fracasso de nunca conseguirmos essa proeza.
O "sim" é movido pelo eterno medo de não gostarem da gente, mas nos esquecemos de que já não gostam ou, quando muito, são indiferentes. E se gostam de verdade, não é um "não" que irá mudar isso de uma hora para outra.
Mas não é que, ainda assim, lutamos para ficar tudo bem, o tempo todo com todo mundo e persistimos no "sim". E nunca se esqueça de que, se você diz um milhares de vezes "sim", isso não te exime de, ao primeiro "não", ser rebaixado à classificação de um dos piores seres humanos da face da terra. O "sim", independente da quantidade de vezes que seja proferido, nunca, mas nunca mesmo, redime sua alma.
Precisamos nos libertar dessa doença do sim e proferir o "não" bem alto, liberto, libertador. Aquele "não" que traga em sua essência todos os limites que queremos que existam entre nós e o resto de nossa espécie, seja mãe, irmão, filho, pai, espírito santo e amém. E que sigamos sem ter medo, sem preocupação, sem ansiedade, num eterno movimento de "foda-se" que, este sim, nos faz mais feliz e nos liberta em definitivo.


13 comentários:

Trevo sem Folhas disse...

Esse NÃO deve ser semelhante ao de filmes de drama, em que a palavra faz até eco quando é pronunciada em câmera lenta, sem medo de que a pessoa se magoe e conte pra escola, bairro ou cidade inteira de o quanto rude você foi de dizer um NÃO pra ela e estragar o dia dela. Seja firme! Tenha força de vontade. Não seja igual ao Jim Carey e protagonize um filme em que só fale SIM.

Jaime Guimarães disse...

Pois é, taí uma coisa que eu preciso realmente aprender: a dizer NÃO.

E isso tudo porque não queremos frustrar a pessoa que faz um pedido. Mas é preciso entender que da frustração também pode se construir algo. E é bom lidar com negativas, afinal todos receberemos "nãos" ao longo da vida.

E por que não soltar uns, também?

abs!

Johnny disse...

Quando nos falta coragem para recusar algo que não queremos e nem devemos fazer, passamos a imagem de fracos a quem nos pediu o "favor". Outros pedidos semelhantes virão a seguir...

Não é sempre que consigo praticar este ensinamento, mas nunca é por medo da reação do "amigo".

Geraldo disse...

Quem quer agradar a todos, desagrada todos igualmente, pois não saberemos realmente qual a sua verdadeira posição e opinião.

Um não firme é muito melhor e construtivo que o eterno sim para tudo.

belo texto

Abraço

Flávia Damato disse...

Pois é, Marcelo, acho que você tocou num ponto importantíssimo.
Eu entendo essa dificuldade em dizer "não" como em estar mal resolvido consigo mesmo.

A insegurança, a meu ver, é o grande vilão dessa dependência da aprovação alheia. Querer estar sempre bem com todo mundo acaba se tornando, muitas das vezes, a causa de inúmeras frustrações pessoais; é uma verdadeira hipocrisia, é anular-se.

Como eu disse no texto anterior, prefiro ficar vermelha de vergonha, a roxa de raiva. Dessa forma, mantenho no meu convívio aqueles que somam ou dividem comigo e dispenso as que apenas subtraem.

De resto é isso: aprender a usar o foda-se e ser feliz.

Bjs!

***Su*** disse...

É por isso que eu digo não com a mesma facilidade com que digo sim. Nunca tive problemas com isso.

Gostei do post.

bjks

Sue

Junior Macedo disse...

NÃO! NÃO vou fazer um comentário sobre esse post! Tenho que aprender a dizer NÃO. Tá até legal, mas NÃO vou comentar. Ôpa! Dessa forma estou camuflando um SIM pois continuo tecendo comentários... Mas NÃO, basta! A minha resposta é NÃO. Ene a ó til!

Rssrsrsr... Parabens pelo post...

Marcelo disse...

Caro Júnior,

rs... adorei o comentário...
Você disse que não tem blogue, mas deveria. Você é muito criativo e já me ganharia de leitor...rs.
Abs

Marcelo Leite

lucia Goulart disse...

Dizer não não é confrangente

Desde de criança,ouvi muitos não! Hoje sou adulta continuo ouvindo alguns não . Dizer não faz parte do aprendizado do individo eu particularmente goto de ouvir um sonoro não quando esse não é acompanhado de criticas construtiva .

Carol Mioni disse...

Vc me descreveu perfeitamente. Inclusive a tentativa de usar o não. Em 2 segundos vc se torna a pior pessoa do Mundo. Mas quer saber? Chega de retalhar a mim pelos outros. Se forem gostar que gostem como está. Espero que vc esteja conseguindo =] Beijos

Francisco Castro disse...

Olá!

Excelente texto, tratando de um assunto tão importante Sobre a decisão de se dizer sim ou não. O mais importante é que a resposta seja dada de acordo com o que for nencessário. A melhor resposta deve ser dada, não importa se irá agradar ounão.

Abraços

Francisco Castro

Ludmila disse...

É... sim... não... não sei!

Peco mesmo por ficar em cima do muro. É que acho tudo tão relativo. Há casos e casos. E todo caso tem dois lados. E os dois lados sempre têm seus argumentos. Sou o extremo da compreensão. E por isso, me fodo!

Isso não acontece por eu querer agradar alguém. É porque, às vezes (muitas vezes, na maioria delas), não acredito que adiantaria alguma coisa expressar a minha sincera opinião. Fico com o vago e - confesso - irritante "não sei" ou o mais eficaz "faça o que achar melhor para você".

Enfim, vivendo, aprendendo, e se ferrando (não necessariamente nessa ordem).

Abraços. =***

Montanari disse...

Incrível o post. Adorei ele. Inclusive falo muito sobre isso no meu blog. Sobre o quan to já me anulei para agradar as pessoas, sempre dizendo sim, sempre concordando com elas, mesmo isto sendo prejudicial a mim. Ótimo post, ótimo blog. Estou seguindo.