quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Casa de praia: um passaporte para o inferno

José comprou uma casa de praia para descansar nos fins de semana. O cunhado de José se animou e pediu a casa para levar uns amigos. Não tendo como negar e ficar mal com a família da esposa, ele acabou cedendo. No escritório, os colegas, assim que ficaram sabendo, já marcaram a confraternização de fim de ano para a casa de praia do José. Não dá para dizer não, tem uns amigos de mais de 20 anos lá... Deve uns favores a eles. No último final de semana, José foi para a casa de praia e teve que levar a sogra, os vizinhos de longa data e optou por alugar uma van para carregar todo mundo. Passou o dia consertando uns estragos que os antigos proprietários deixaram e alguns problemas largados por seu cunhado.. uma janela quebrada aqui, uma maçaneta empenada ali, um banheiro entupido. Durante um ano, ele passou todos os finais de semana limpando, consertando, pintando, desentupindo banheiros, emprestando, pagando IPTU e, finalmente, terminou vendendo a casa de praia.

José desistiu, vendeu definitivamente, investiu a maior parte do dinheiro e comprou uma TV de 42 polegadas LCD. Hoje, ele passa o domingo vendo futebol, trancado, no quarto....

Por precaução, até hoje não contou nada sobre a TV... a ninguém

11 comentários:

Beth Ribeiro disse...

Ha!Muito bom e verdadeiro.Tem sempre uns espertinhos querendo se apropriar da propriedade alheia,que nem pessoal do MST,e se não tem pulso firme,vai para o beleléu..Melhor ficar com a tv mesmo.E por enquanto,manter sigilo absoluto sobre a aquisição!rs

Adoro passar aqui!

Bjs

Marcelo disse...

Seja sempre bem-vinda, Beth!
Bjs

Marcus "OROCHI" disse...

Nossa, casa de praia é um verdadeiro inferno mesmo, ainda mais quando você divide com 12 pessoas o espaço onde deveriam habitar no máximo 5. TENSO...

Junior Macedo disse...

Caríssimo,
Acompanho teu blog há pouco tempo e gosto da forma versátil q escreves. Cheio de palavras fortes e sempre, sempre com as tão queridas onomatopéias. Qd digo que tenho pouco tempo como teu leitor, é pouco msm! Mas já li todos os post desde a fundação/criação. Um a um. Cheguei a utiliza-los(sm sua permissão) em algumas discursões de grupos de amigos(não se preocupe, lá está entre aspas,rs). Enfim, eu o parabenizo pela diversidade dos fatos que nos presenteia durante as POUQUÍSSIMAS atualizações. E mais! Não vou pedir para que passes lá no meu blog pois não tenho.. rsrsrrs. Abraços, amigo

Marcelo disse...

Caro Júnior,

Pelas suas citações no comentário, vejo que você leu tudo mesmo...rs
Bom, não se preocupe quanto às referências ao usar o meu texto. Ele só era meu mesmo quando estava na minha cabeça... quando virou palavra escrita passou a ser nosso.
Um abraço

Marcelo Leite

Trevo sem Folhas disse...

Egoísmo às vezes vem a calhar...rs

Flávia Damato disse...

É por essas e outras que eu prefiro ficar vermelha de vergonha, a roxa de raiva.

Ser humano com complexo de gafanhoto é um problema seríssimo! Quando atacam em "nuvem", então, nem se fala!...

O desrespeito com a vida/coisa alheia é inerente a essa "espécie", ou seja, são uma ameaça constante.

P.S.: Ótimo texto, como sempre!

Bjs!

Junior Macedo disse...

Marcelo, seria interessante se vc pudesse colocar os comentários em ordem recente/antigos. Fica a dica!

Patrícia disse...

É aquilo, né? Cartão de crédito, carro, casa de praia e namorado é melhor não emprestar. A não ser que você queira perder o amigo!

Anônimo disse...

'UAHSUHAUSHAUH
Eu ri muito !

Rosianinha disse...

Marcelo, adorei o texto!
É muito verídico, às vezes, me sinto uma "José"...ai ai, é complicado! rsrs
Parabéns pela postagem
grande abraço
Rosi