segunda-feira, 27 de abril de 2009

Blogue é gênero textual?

Um dia, um aluno, durante a aula, indagou-me de sopetão:
- professor, blogue pode ser considerado um gênero textual?

Pensei, pensei e lembrei que quanto mais a gente estuda mais a gente tem dúvida e mais a gente inveja o paraíso dos ignorantes, onde todas as certezas são achadas em cada esquina ou vendidas em portinhas de beira de rua.
Bem.. comecei. Minha área não é lingüística textual, mas com o que tenho observado acho que podemos começar a entender como um gênero textual caracterizado por uma série mecanismos que o tornam único. E daí saiu uma daquelas conversas que desviam aula e te dá a sensação que o aluno está tentando fazer você deixar a sintaxe descritiva para o lado e trazer a prosa para um outro rumo. Mas aceitei o fio daquela meada e engatei no assunto.
O texto do blogue pede a dinâmica da comunicacão na internet e todos os excessos, como já disse alguma vez por aqui, estragam-no. Esse texto possui um tamanho que, quando grande, extrapola alguns cliques abaixo da tela que o usuário tem na frente; a linguagem é rápida e pede pouco auxílio de dicionário e quando precisamos disso, colocamos o texto em hipertexto para a wikipédia ou outro site; os temas devem ser fugazes, mas não, fúteis e, quando transbordam erudição e hermeticismo, o leitor foge, pois ainda estamos longe do hábito de ler em tela de computador. O blogue é a literatura do free lancer, o espaço da livre expressão gratuita.
O espaço do direito de se manifestar, seja você doutor ou miguxo(a), mas isso não implica que você será lido ou admirado, pois os outros exercem o direito inalienável de ignorá-lo solenemente.

Blogue não é um jornal eletrônico ou um livro em capítulos on line, blogue é, enfim,.. um blogue. E ainda há muito para se discutir do que vem a ser isso.


O meu amigo Wander me disse, certa vez, que só quem lê blogue é blogueiro. Acho que, em parte ele tem razão, e só se poderá começar a desenhar o gênero textual blogue quando superarmos esta fronteira da tela do computador.


13 comentários:

Laila disse...

A relação de mutualismo interblogs pode ser boa ou ruim. Se por um lado temos a oportunidade lermos e sermos lidos, por outro esta leitura não sai das telas. Só se for para comentar com outros blogueiros.
Isto é uma pena. O brasileiro ainda tem que descobrir os blogs, e quando esta descoberta acontecer vai ser quase uma revolução.
E só aí (na minha modesta opinião de estudante, com pelo menos 50% de chance de erro) teremos o blog como gênero textual à parte.

Henrique Hemidio disse...

Blog é pós-modernidade...
com todos os toques q vc deu aí

All3X disse...

Marcelo, simplismente demais esse texto, vou ter que guardar ele aqui em meu PC em algum lugar.
Valeu,
All3X

Wander Veroni disse...

Oi, Marcelo!

Acredito que os blogs são uma revolução na comunicação e na propagação de conteúdo na internet. A definição do termo, pelo mesmo para mim, ainda está em construção. É difícil pq quanto mais pesquiso, mais tenho questões sobre o assunto.

Fico feliz de vc ter me citado no texto. (In)felizmente, pelo menos aqui no Brasil, a maioria dos internautas ainda não descobriram os blogs como fonte de informação. Daí a maior parte do público leitor de um blog, que participa e comenta, acaba sendo os próprios blogueiros.

Espero que isso um dia mude. E vai mudar, tenho certeza. Hoje, quando colocamos uma palavra chave no Google, por exemplo, pelo menos os primeiros resultados - pirncipalmente imagens, caem em um blog.

Apesar dos blogs terem mais de dez anos de vida ainda estamos em processo de transformação constante. E as redes sociais ajudam muito a popularizar um blog. Além disso, os próprios blogueiros vão tomando consciência sobre a produção de conteúdo e sobre fidelização do leitor. Claro, o blog dá satisfação pessoal, mas não pode ser uma extensão do ego, também tem que agradar os leitores. Talvez seja esse o principal desafio do blogueiro atual, seja ele profissional, miguxo ou por hobbie.

Adorei o post!

Abraço

Marcio Sarge disse...

"...exercem o direito inalienável de ignorá-lo solenemente".

E esse direito vindo de alguns é muito bem aceito.

Mas acredito que os blogs alcacem mais gente que os próprios blogueiros ainda que seja um pequeno percentual, não contamos com aqueles que simplesmente se contentam em ler e em nada se veem obrigados a comentarem seja pro bem ou pro mau. Eu mesmo ja fiz isso algumas vezes.
Os puristas que me desculpem mas acredito sim que os blogs já podem ser considerados como generos textuais. Quanto a qualidade e habilidade dos que se aventuram nele isso sim pode ser discutido.

Abraço Marcelo

Dani Antunes disse...

Adorei o texto, só pra variar!

Eu já dei aulas e sei que aluno às vezes sai com cada uma...rs

Enfim... Eu não sei se o blog pode ser considerado gênero textual, mas que eu já vi muita gente escrevendo muito melhor depois de passar a ler os blogs e/ou criar o seu próprio...

Não tenha dúvida. Os blogs vão dominar o mundo! hahaha

Viva a blogosfera! \o/

Bj

Graça Filadelfo disse...

Gostei muito da reflexão. Tenho grande interesse pela linguística textual, principalmente no gênero jornalismo, área de minha atuação. Também arrisco algumas crônicas que publico, uma vez por semana, num dos meus blogs. Estou há pouco tempo experimentando escrever para blog. Concordo quando você se refere a esse espaço onde temos liberdade de expressão, desde que de forma ética.

Bruno Monin disse...

...quando transbordam erudição e hermeticismo, o leitor foge, pois ainda estamos longe do hábito de ler em tela de computador.

Isso é verdade, se não temos o costume de nem ler jornal por exemplo, quanto mais direto no pc, mas claro que não generalizo. Penso também que pelo fato de apenas blogueiros lerem blog, é porque os leitores comuns possm não acreditar no que um blog diz, já que não se tem um compromisso real com a informação. O cara escreve o que quiser, então fica duvidoso acreditar no conteúdo. Claro que também não generalizo, vai que é por isso que um blog de humor ganha o sucesso mais rápido do que um blog com um conteúdo mais sério.

Viviane Righi disse...

Eu sou daquelas pessoas que gosta muito de ler e de escrever. Em relação aos "blogues", considero um excelente espaço para entretenimento, troca de opiniões e informações.

Sou incapaz de acessar um blogue e desistir dele quando vejo um texto grande demais, pois valorizo tudo o que é bom e bem escrito.

Muitas vezes me decepciono com o que vejo publicado por aí... não sei como alguns "miguxos" tem tanta coragem de dar a cara a tapa do jeito que dão.

Essa parte da blogosfera me causa muita vergonha.

Abraços!

David Cohen disse...

Tendo a concordar com o Wander: o principal leitor dos blogs são os próprios blogueiros. Ainda não encaro o blog como um gênero textual, mas apenas um novo veículo de disseminação de idéias e informações pela internet.

http://valacomum.wordpress.com/

Raquel disse...

Não vou meter-me a analisar gêneros textuais... Até porque "tudo que sei é que vivo em dúvidas".

Seu texto fez a mim o que a pergunta do seu aluno fez a você, desvie-me... Pensei em Fernando Pessoa e imaginei a farra que seria para ele ter acesso a essa enormidade de pesrspectivas que o Blog oferece... Quantos blogueiros ele seria?

Abs
Raquel.

Guara disse...

Para transmitir uma ideia vale uma palavra, uma frase, uma imagem, um pequeno video.
Basta que venha a acrescentar conhecimento. Como este Post seu.

Michele disse...

Olá,
encontrei o texto quando procurava algo mais para uma pesquisa que faço. Em princípio via o blog como gênero textual e como estava elaborando um artigo para uma disciplina da faculdade defendi com 'unhas e dentes', já que o trabalho era sobre gêneros e porque uma colega disse que o blog é suporte não gênero. Então, passei a aprofundar o tema e percebi que suas funcionalidades são muito amplas para fechar uma categorização. Dependendo do propósito comunicativo do blogueiro ele será um gênero ou um suporte, mas fico com o primeiro... também dá para pensar no termo hipergênero e aí passo para os estudo do prof. Bonini, que estuda os gêneros do jornal.

Acho que ainda estamos engatinhando nesse tema, mas tudo evolui, não é mesmo?