terça-feira, 18 de novembro de 2008

Da série ambiente de trabalho II: O preconceito... o perseguido!

Ramon tinha certeza de que não conseguira nada na empresa até hoje porque, há tempos, sabia que rolava um complô contra ele. Viu no corredor duas pessoas falando baixinho e tinha certeza que era dele que falavam. Deve ser só porque comprou um atestado para tirar folga mês passado. Ô, gente invejosa...! Outro dia recebeu uma advertência porque chegou atrasado mais uma vez... mas tem gente que chega atrasado e não falam nada.

Era marcação.

O cargo de gerente, tiraram de Ramon assim, ó... do nada. Tudo isso, logo depois que ele preencheu errado uma série de guias da empresa e deu um prejuízo imenso. Mas era marcação, já havia visto gente errar outras coisas e nao deu em nada. Hoje, no bebedouro, perguntou as horas para um colega e ele respondeu assim: não sei. Deixei o relógio na sala... assim com um ar de "estou armando uma para você, por causa daqueles material de escritório que você tem enfiado na bolsa e levado para casa toda sexta-feira".
E a bronca do chefe na semana passada?
Aquilo era isso mesmo, perseguição... Ah se era! Só porque foi grosseiro com um cliente chato, o patrão veio e deu uma chamada nele... Tem gente aqui que é grosseira e ele não fala nada. Mas como aconteceu com o Ramon, coitado do Ramon...
Tenho certeza de que é marcação mesmo, só porque eu vim de família humilde, estudei com dificuldade, trabalhei como garçon, vim de uma região pobre, ficam tentando me derrubar... ô , gente.. ô, gente!


Leia também...

Postar um comentário