quinta-feira, 16 de julho de 2015

Uma piada é só uma piada

Rir é o melhor remédio? Mas não sei se curaria ranhetice da turma do politicamente correto. O fato é que algumas pessoas perderam a capacidade de entender que uma piada é só uma piada.
Piada, linguisticamente falando, é um texto em que predomina em estilo narrativo, usualmente em 3º pessoa, contado de forma curta e cujo intuito é única e exclusivamente fazer rir em face de um evento inusitado que rompe a expectativa do ouvinte e provoca o riso pelo grotesco. Esse é o efeito do humor. Não confunda humor com algo engraçado. O humor é decorrente da ruptura do usual gerando o grotesco que pode ser engraçado ou não. Inclusive, isso varia de pessoa para pessoa, uns acham graça de uma coisa, outros não.
Pois então. Um dos argumentos mais idiotas para justificar o politicamente correto (PC) na luta contra as piadas é o de que piadas veiculam ideologias. Entenda, TUDO veicula ideologia uma vez que nasce no universo das ideias. A ideologia é indissociável da linguagem. O problema é quando a ideologia é doutrinária e tem como objetivo mudar atitudes, comportamentos. Por exemplo, ninguém promove homofobia se conta uma piada de gays ou uma piada racista. São duas piadas de indiscutível mau gosto, mas não são panfletos doutrinários que visam formar racistas e homofóbicos.

Outra ideia estúpida é a de que piadas podem ofender. Sim. TUDO pode ofender, pois a ofensa, na imensa maioria das vezes está em quem ouve. Se o cara fizer uma piada sobre carecas, posso me ofender (estou quase lá), se fizer sobre a minha cidade ter fama de ter muitos gays, também posso me ofender, se debochar do curso de letras ser um curso só de mulher e afeminados, também posso me ofender (sou professor de português há mais de 20 anos), se fizer uma piada sobre vida sexual de homens casados, também posso me ofender... enfim. Se você ficar calado, posso me ofender também e entender como descaso ao que argumento e arrogância. Entendeu? Todo mundo pode se ofender com TUDO. Nem o silêncio o exime do sentimento de injúria...

Há uma questão subliminar nas piadas. Sim. Há em tudo. Mas o foco não é mudança de comportamento, não há uma intenção em uma piada senão a de fazer alguém rir. Às vezes, não dá certo, mas a intenção é essa. Ninguém se torna racista ou homofóbico por que contou uma piada ou riu de uma piada. Coisas como essa pedem um conjunto de comportamentos que caracterizem o preconceito. 

Por fim, lembrem-se de que, no final das contas, há sempre dois tipos de piadas: as engraçadas e as sem graça; as espirituosas e das de mau gosto, as longas e as curtas, as bem contadas e as mal contadas, enfim, o que torna uma piada ofensiva é a maneira como se as recebe.

Da próxima vez, diante de uma piada que o "ofenda", ignore-a, não ria e não passe adiante. Essa é a maior manifestação de protesto que se pode fazer.


P.S.: Se você for contra a minha ideia, eu posso entender que está limitando o meu direito de expressão, se concordar eu posso supor que pode ser uma ironia que pretende me diminuir, se você se calar, eu posso entender que é um gesto de arrogância... Entendeu? Eu posso entender TUDO que eu quiser. A partir de determinado momento, o sentido está em mim, só em mim, nada mais do que em mim.
Postar um comentário