quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Direito não é sinônimo de justiça


Toda vez que vejo uma defesa ferrenha de direitos de "minorias"(?), fico pensando em algumas coisas que, longe de me afastarem da nobreza das causas, servem como ponto de partida para compartilharmos o raciocínio a seguir. 
Há uma enfática defesa dos direitos dos índios, das mulheres, das crianças, dos idosos, dos negros e dos direitos humanos. Incomoda-me entender índios, mulheres, negros, crianças e idosos como algo externo à categoria dos humanos. Tenho a impressão de que a defesa ampla e efetiva dos direitos humanos dispensa a defesa de direitos específicos até porque contempla a todos sem rótulos ou restrições. Penso que o direito ao respeito e à vida, à educação e à saúde não seja algo inerente somente a um grupo delimitado por sexo, faixa etária e etnias.
A verdade é que tenho medo da setorizaçao dos direitos, pois me dá a azeda impressão de que esse grupo tem, mas o outro, ah.. esse eu já não garanto. Tenho medo de toda essa setorização que inclui, mas que também exclui, que corrige injustiça, mas também segrega quando legitima a diferença e, em nome da igualdade, legitimamos a desigualdade como base de ação.
Quero levantar bandeiras como sempre fiz, mas quero levantar bandeiras sem destinatários escritos. Quero o direito à vida para todo mundo, o direito à educação para a criança, mas também para o idoso. E por que não para quem não se encontra nessas categorias, mas precisa de uma oportunidade para crescer? Desejo que todos tenham o direito à justiça e não sofram nenhum tipo de violência, a mulher, o homem, a criança, os idosos, os adolescentes e os animais.
Quero um direito e um mundo em que todos tenham o direito real de ter direitos garantidos de verdade. Essa é minha concepção de justiça, no mais, é ilusão que só se alimenta da má fé por trás das "boas ações".
Postar um comentário