terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Palavras esquistas e seus referentes


Tem gente que tem horror a palavrão. Eu não. Acho que um palavrão bem dado e na hora certa alivia, desestressa, te coloca no eixo e no controle da situação (Foi o Leandro Hassum que disse isso e é verdade). O que me incomoda são as palavras estranhas. 
Nos últimos anos, desenvolvi um critério para avaliar o que é estranho e seu grau de estranheza (pelo menos para mim). Palavras de origem indígena que parecem ser pronunciadas por um índio fanho. Cauã, Inoã, anhanguera, pindamonhangaba, por exemplo. Essa última, as crianças só devem aprender a falar depois dos 5 anos de idade... palavra legal, mas grande e muito nasalizada.
As palavras que parecem ritmos também são bem estranhas. Lembro que a Gretchen cantava uma música Conga, conga, conga... Eu achava esquisitíssima essa música (os gritinhos dela também eram esquisitíssimos). E, há alguns anos, tinha um conjunto que cantava uma música chamada "Assereye" (sei lá se é assim que se escreve)... Outro dia, vi que tem uma música chamada kuduru (ou um ritmo chamado kuduru, também sei lá se é isso mesmo...). 

Cheguei à conclusão que Gretchen nem era tão estranha assim...
Postar um comentário