sábado, 2 de abril de 2011

Uma franquia dos infernos

Pensava o Diabo uma maneira de ampliar os seus negócios na terra.  Reunido com sua equipe de demônios-assessores ouviu um deles dizer que o negócio agora era o mercado de franquia. Entretanto, criar uma franquia com a marca Satanás não seria uma boa, o nome está gasto, a marca está batida e mal afamada. O negócio seria criar contratar uma franquia que tivesse boa aceitação. - Jesus... Disse um deles. - Vire essa boca para lá, rapaz. Rebateu outro demoniozinho assessor.
- Não. Ponderou o Tinhoso. Sabe que é uma boa ideia. O investimento inicial é pequeno, não paga imposto, a matéria prima do que se vende é gratuita e, normalmente, quem compra, vai por impulso ou desespero. Não pensa, por que se pensar demais não compra.
- Mas chefe, já existe essa franquia, observou um advogado do diabo.
- E daí, abrimos, espalhamos, captamos dinheiro e eles que entrem na justiça.
- No caso, a divina, não é? Completou um capetinha trainee.
- Que seja!
O negócio prospera a olhos vistos em cada esquina.

Enquanto isso o processo de uso de imagem movida pelo céu rola na justiça eterna.

Postar um comentário