domingo, 29 de agosto de 2010

Oração singela de um pai apaixonado (e preocupado)

Peço a vida sabedoria
Sabedoria para ser digno da vida que me confiaram
Para ser justo sem ser rígido
Para dobrar quando necessário for
E manter-me firme mesmo quando o coração vacilar


Para que eu crie um homem

Um homem digno
E que empregue suas mãos no trabalho
Sua consciência no outro
E, na sua alma, se talhe o mais sólido caráter

Que eu dê a essa vida que me entregaram
A dignidade e a crença
Não a fé cega que cala o homem e escraviza
Mas a fé no homem
Que ergue o mundo e faz dele um lugar melhor
Amém


P.S.Retornei a essa questão porque tenho visto tanta coisa desanimadora como educador. Meninos riquinhos achando que, porque pagam faculdade cara, podem tudo com qualquer um. E pais endossando o discurso da barbárie, dando dinheiro para policial para alimentar a impunidade dos monstros que pariram, desculpando a desonestidade e estupidez de suas crias, acreditando que o mundo só serve para servi-los. E os filhos reproduzem esse discurso porque são o espelho da imbecilidade dos pais.. Tenho andado desanimado... muito desanimado... Olho meu pequeno Daniel, penso em tudo que estou passando para ele e esbarro no medo, no medo do ser humano que estão deixando para o mundo. Não sei se teremos um mundo melhor, mas acho pouco provável com tantas pessoas piores que tenho visto. Não volto mais a esse assunto. Já deu.. Foi só um desabafo final.

6 comentários:

Adilean Coelho Alencar disse...

Este texto me lembrou do meu pai querido.
Ele que sempre com seu carinho e amor nos educou para a vida.
Pai,te amo!!!!
Parabéns pelo texto!!

Anônimo disse...

Eu com um filho longe de mim, em um outro continente... Ufa.... essa postagem me fez chorar...

Eduardo Montanari disse...

Não tenho muito o que acrescentar a esse texto, pois concordo com tudo e assino embaixo. Também sou testemunha de pessoas, pais e filhos que acham que o dinheiro substitui o caráter. Não creio que isso tenha melhora. Acho que a sociedade vai daí pra pior mesmo.

Marcelo disse...

Eduardo, me deprime, sendo educador, assinar embaixo do que você comentou. Vejo as coisas indo daí para pior também...

Rabib disse...

Bela mensagem, Marcelo. Mas será que nosso desânimo ocorre porque vemos tantas pessoas ruins ou porque as poucas pessoas piores são tão evidenciadas que ofuscam o brilho de tantos e tantos filhos melhores? Que tal fazermos um exercício inverso e levantarmos os casos de filhos (e pais)justos, dignos e corretos, que fizeram coisas boas no mundo...o que iremos encontrar?

JediVisconti. disse...

Bom ilustre Professor, uma coisa eu te digo de coração, somos solidários à sua preocupação, saiba que não é o único com estas indagações e temores, mas dadas as circunstâncias, o meu desânimo também se faz presente.