quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Música ambiente... que ambiente?


Sempre ouvi falar em música ambiente e imaginei que, às vezes, não há coisas mais complicadas de se harmonizar. Araketu e velório, Mozart e trio elétrico na Bahia, Bee Gees e desfile de escola de Samba, Techo dance e sala de parto.. e vai por aí. Dessa forma, aos poucos fui vendo que a música é a cara do lugar onde toca e dos ouvintes que o freqüentam, daí criei uma espécie de “feng shui” da música a fim de harmonizá-la aos seus ambientes.

Música
Bruno e Marroni
[ambiente]
Bar de beira de estrada, balcão, ovos coloridos numa estufa de vidro e carne boiando na gordura ao lado. Prateleiras com garrafas de pinga, conhaque e biscoitos amarelinhos que pegam fogo fácil (conhece?). Um cartaz de cerveja com uma mulher de shortinho e parte de cima do biquíni, com uma cerveja na mão. Caixa de chiclete Adams amarelinho numa vitrine ensebada.

Música
Araketu
[ambiente]
Um monte de gente suada, música alta para caramba, cerveja, cerveja, cerveja, muvuca na rua.. Voltam para casa... um dia.


Música
Capital inicial
[ambiente]
Show de exposição. Cerveja, muvuca para entrar, dificuldade para estacionar... Na platéia, um monte de trintão cantando as musicas com saudade dos tempos em que tinha 16 anos... (há uns vinte anos mais ou menos). Do outro lado, uns pós-teens que também curtem o som em clima de retrô do que não viram.


Música
MC Qualquer coisa
[ambiente]
Baile fechado, clube ao estilo quadra de futebol de salão. Palco armado onde ficava uma das traves. Galera A de um lado odiando a galera B que está do outro. Cerveja barata, música alta, no final, todo mundo de ônibus para casa... ou de chevette, corcel II, fusca.. a frota é vasta. Mas tudo "tunado"...

Música
Orquestra Los Tiozitos
[ambiente]
Salão de clube decadente. Música em altura razoável, começa cedo (logo depois do bingo) porque tem que acabar cedo (antes das 22). Homens de ternos e mulheres de vestido. Bebida com considerável moderação. O mais novinho aposentou como operário da pirâmide de Quéops. Por prudência deveria ter uma equipe médica de plantão do lado de fora. Ao fundo, Ray Connif rola solto... "Uma loucura, loucura, loucura..." como diria Luciano Huck.
Voltam para casa de van fretada.


Personagem, música e ambiente contam uma história e compõem um ambiente. Não acredita? Experimente colocar os vovozinhos num baile funk ou no show de axé.
Vai.. experimenta.

Postar um comentário