sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Parece problema de matemática, mas não é.. de matemática! É social.

Um banco atende 100 pessoas por dia. O tempo médio de atendimento são preciosos 40 minutos. Em respeito ao cidadão , instituem o sistema de atendimento preferencial para gestantes, idosos (maiores de 60 anos) e portadores de deficiência que representam 10% de sua clientela. Os outros 90% dos clientes e não-clientes continuarão mofando nas filas.

Será que alguém mais além de mim, notou que o problema não é o cliente, mas o serviço oferecido pelo banco que é lastimável?

Em tempo:
Por favor, não sou contra atendimento preferencial de nenhuma natureza! O que não entendo muito bem é por que razão o direito à dignidade não deveria ser extensivo àqueles que não têm nenhuma deficiência, que não estão "grávidos" ou mesmo que, com 37 anos, como eu, precisam ainda de esperar 23 para serem respeitados.

Em um sistema eficiente, não seria necessário nenhum sistema de preferencialidade e ceder a vez a pessoas em alguma situações especiais deveria ser uma questão de bom senso, não de lei.

13 comentários:

Marília disse...

E como deveria..
será que o povo na fila da Caixa economica federal teria esse bom senso de deixar a gestante passar a frente? posso lhe afirmar.. no transporte público isso falha muitas vezes..
mesmo tendo bancos reservados..
é que as pessoas costumam deixar a educação guardada debaixo da cama!
beijos

Lilian Devlin disse...

Marcelo,
Aqui em Belo Horizonte existe uma lei municipal que diz que o tempo máximo de espera em fila de banco tem que ser de 20 minutos. Mas poucas são as agências( pelo menos a minha não tem...)que possuem aquela maquininha para senha, onde consta a hora de chegada. Ou seja, você fica sem ter como provar que o tempo gasto na espera ultrapassou e muito os tais 20 minutos!
Por isso, para praticamente tudo, eu uso a internet.O nosso tempo é muito precioso para ser gasto por falta de respeito,né?
Bjs e bom fim de semana!

Rabib al Jahara disse...

Concordo que o problema é estrutural. Mesmo com tentativas de resolver o problema (como por exemplo, a Lei dos 15 minutos na fila, que diga-se de passagem, não "pegou". Aliás, o Brasil é o único país que eu conheço que lei "pega". Para mim, lei é lei, do momento que foi aprovada tem que cumprir). Voltando... o problema não resolveu e possivelmente não vai resolver... bancos dizem que para tal criaram o caixa eletrônico, o caixa humano é caro, etc... só quem ganha é a turma da "melhor idade" que está sendo contratada pelas pequenas, médias e grandes empresar como "boy" ("boy"?!?!?!?!) para agilizar os seus serviços nas filas bancária, afinal, eles têm preferência! Viva o capitalismo e a inclusão social (risos!!!)

Flávia Damato disse...

Eu concordo c/ a preferencialidade, uma vez q o bom senso está longe d ser uma prática rotineira entre os seres humanos, mas não deixo d questionar, assim como vc, o péssimo atendimento às outras pessoas excluídas das categorias citadas no seu texto.

A questão dos Bancos, por exemplo, é típica: 5 a 7 caixas, c/ apenas 2 atendentes, 1 p/ a fila "comum", e outro p/ a fila exclusiva. Por q as outras "cadeirinhas" não são ocupadas p/ agilizar o atendimento???

Na minha última gravidez cheguei a ficar 30 min na fila (p/ gestantes), e confesso q foi super cansativo. E é por esta e outras razões - como ter 70 anos e ficar + d 40 min. em pé (já vi uma senhora passar mal por isso) não deve ser nada confortável - q sou a favor dessa preferencialidade. O q não impede o sistema d ser suficientemente bom p/ atender, da melhor maneira possível TODOS os seu clientes.

Vc fechou c/ chave d ouro ao dizer q o problema não está no cliente, mas no sistema.

Como sempre, parabéns!!!

Bjs!!!

Aline disse...

Vc disse tudo !!!

Beijos !!!

Marcus "OROCHI" disse...

Ah, mas se acabarem as filas, o povo vai reclamar. Afinal, ñ vão ter mais do que reclamar no banco, vão acabar ficando sem assunto, e tal...
Afinal, brasileiro adora uma fila, hehe.

Abraço!

http://chamandocoringa.blogspot.com/

Tiago disse...

Quando vejo tantas pessoas jogando lixo na rua, urinando nos cantos das calçadas, buzinando no trânsito, fechando o cruzamento, parando em cima da faixa de pedestre, estacionando em fila dupla, deixando lembrancinhas dos seus cachorros nas calçadas, entrando no metrô pela porta de desembarque para pegar um lugar antes dos outros e várias outras coisas eu penso que nunca chegaremos ao nível de civilidade em que a educação não precisava virar lei.

LETÍCIA CASTRO disse...

Assinado embaixo, Marcelo! Se o sistema fosse eficiente, não haveria necessidade de excessões, muito bem posto. E compartilho da tua revolta, principalmente morando em São Paulo, onde o que a gente mais faz é procurar o fim da fila pra se encaixar!
Beijos pra vc!

All3X disse...

Marcelo, muito bom a inclusão na barra lateral de mais um recurso, os slides são ótimos.

E bem diz uma uma colega minha por aqui, onde não existe consciênia reflexiva o bastante para perceber o que é ético, se criam muitas leis. Deseja-se que pela força todas as pessoas possam cumprir, mas nem sempre acontece assim...
E quem disse que a dignidade das pessoas portadoras de preferência é respeitada...nem a deles, muito menos a nossa.
Valeu

Anna Corbo disse...

Pra variar existe uma ignorância a respeito dos nossos direitos como cidadãos... Vcs sabiam que o cliente não pode ficar por de 10 mins na fila do banco... é lei... cabe processo!!

Tatty disse...

Leis existem.... mas uma pena que o povo nao cumpre..
otimo blog..
abço

http://bioblue.blogspot.com

Caio disse...

Realmente, o problema não é o cliente, mas sim a empresa. E o pior é que não ocorre isso somente em bancos, mas em qualquer estabelecimento comercial! Por exemplo, eu fui comprar um ingresso para um jogo de futebol e tive que esperar 4 horas para chegar à bilheteria. Ou seja, esses problemas não são só exclusividade dos bancos (embora sejam os que mais se sobressaem).

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Pelo fato de nã haver uma ccompreenção, aos idosos e aos deficientes, nós nã teriamos que sofre durante horas interminaveis em um banco, por exemplo.
Mas enquanto não se muda a sociedade, temos que levar um livro ou um revistinha de palavra cruzada, para passar o tempo...


PS. Eu te indiquei para receber o selo "Master Blog". Indiquei o teu blog, pelo fato de ser um dos poucos blog´s que acompanho...


Abraços!!!


http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/