segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Já que é para falar, eu vou falar.

DOS PRECONCEITOS E DAS CORES

Acho que existe muita discriminação com as cores. Na onda do politicamente correto, aboliram o vocábulo preto (ou negro), pois qualquer menção é discriminação racial. A própria ministra da secretaria para políticas de igualdade racial admitiu que um negro discriminar um branco não é preconceito.
Claro que não é. É revanche.
Antigamente, quando alguém era “afrodescendente”, as pessoas se referiam a elas como “pessoas de cor”. Nunca entendi isso... as outras pessoas eram o quê? Incolores?
Bom, mas o fato é que nessa leva de discriminação cromática muita coisa ficou de fora e precisamos fazer justiça. Por exemplo, quando alguém desiste de algo dizemos que a pessoa amarelou. Mas como ficam os povos asiáticos que passam a ser associados à incapacidade de encarar algo com coragem.
Preocupa-me também o vermelho que é associado à vergonha. O que na reputação da cor que permite que afirmemos que o vermelho é a vergonha ou a raiva mesmo? É um pré-julgamento descabido que denigre e ofende a cor e mesmo os povos indígenas que não merecem tal pecha.
Falam do preto, mas e o branco? Quando alguém esquece algo, diz que deu um branco. Aonde querem chegar com isso? Há uma referencia sutil a comportamento relapso com os compromissos. E a bandeira branca? É paz ou entreguismo?
Ainda há a cor rosa que discorda de sua denominação para cor uma vez que nem toda flor é rosa e isso generaliza de forma criminosa a definição do objeto em si. O laranja segue a discussão e pede que seja desassociado da fruta, pois fruta é uma denominação que põe em dúvida sua masculinidade.
Imagino uma passeata em que o verde-oliva, rosa-bebê, o azul-piscina até azul petróleo (que de petróleo não tem nada)... todos eles invocando palavras de ordem contra um mundo de cores. Somos todos iguais. A partir de agora uma cor é plena (branco e todas as outras) ou ausente (preto) e assim viveremos em um mundo melhor e mais justo.
Até o dia em que começar a incomodar a idéia.
Dê-me paciência... mas dê-me muita.
Postar um comentário