quarta-feira, 21 de março de 2012

Só o tempo traz certas coisas


Tempus edax rerum
Leciono em uma turma de 1º período de um curso superior freqüentado predominantemente por garotos e garotas de 18 a 20 anos e outro dia deparei-me com um situação inusitada. Como explicar um texto que falava sobre o massacre da rotina e o processo de coisificação do homem no trabalho cotidiano se estava diante de um público que acabou de sair do ensino médio, oriundos de uma classe média que, muitas vezes, nunca trabalhou e só conhece como rotina o caminho de casa para escola, da escola para o cursinho...? Enfim, o texto se perdeu.
Desisti de aprofundar análises de interpretação e falei que havia coisas que eles só entenderiam com o tempo. Para exemplificar citei uma música dos Titãs, "Epitáfio", e disse que ela só lhes faria sentido depois dos 30 anos. Até lá seria só mais “uma musiquinha piegas”, como ouvi de um garoto de 20 anos uma vez).
Há entendimentos que só tempo traz. Não adianta acelerar os relógios. Eles são implacáveis e se deslocam a velocidade de 60 minutos por hora. Precisamos do tempo e das feridas do tempo para entender o tempo e as feridas do tempo. Não há livro que esboce uma teoria para dar conta disso tudo.
De frente para a turma, eu percebi que poderia falar horas sobre aquele tema e seria como nada, como palavras que se perdiam no ar e se desfaziam. Sob o olhar de sobrancelhas franzidas, desisti.
Toquei em frente na esperança de que um dia eles, aos 40, se lembrem que um professor quarentão que um dia tentou falar de umas coisas que.... Ah... entendi.
Só o tempo certas coisas.. só tempo.

Postar um comentário