terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Quanto custa o carnaval? E quem paga a conta?


Entra ano e sai ano, sempre me pergunto isso. Quanto custa o carnaval? Não falo das festas nos sambódromos Brasil afora numa espécie de CTRL+C/CTRL+V do carnaval carioca, mas me pergunto sobre o custo colateral da festa. Qual o custo dos engarrafamentos? E dos acidentes? Qual o custo dos atendimentos médicos provocados pelos excessos? 
Qual o custo da limpeza? Qual o custo da segurança? E os banheiros químicos...? Quanto custam as festas de rua com seus conjuntos e bandinhas contratadas por prefeituras miseráveis para animar a multidão? E quanto custam os seguranças? Quanto custa montar o palco e as luzes? E os descontroles que geram danos ao patrimônio público ou privado, quanto custa pagar essa conta? E aqueles enfeites “sem vergonha que colocam na rua com iluminação adicional. Quanto custa aquilo?
E os mortos nas estradas, nas overdoses, nas brigas, nos excessos provocados pelas drogas e bebida (que para mim é a mesma coisa), qual o custo que se tem quando alguém morre e se projeta o ganho presumido com base na expectativa de vida e área de atuação? Quanto custa essa brincadeira toda?
Não. Não quero que a festa acabe. Acho que deve existir com seus excessos ou não. Só faço essa indagação para entender se, na relação receita despesa, estamos diante de um evento que nos dá grande lucro ou prejuízo. Acho que tudo isso deve existir, afinal, movimenta dinheiro para o comércio e serviços. Só me questiono é se o estado tem que financiar uma banquete onde só poucos comem os lucros. 
Que se dê a César o que é de César e a Deus o que é de Deus, a começar por entregar a fatura para quem lhe é direito.
Postar um comentário