sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Rumo à inexorável fórmula da falência


Há décadas os europeus criaram um sistema social "perfeito" em que as pessoas poderiam envelhecer e manter um padrão de vida por conta do Estado. Teríamos legiões de velhinhos aposentandos em boa idade e gozando a vida com os luxos meritórios de quem trabalhou um vida toda. Seriam multidões de vovôs e vovós fazendo turismos e ajudando a manter filhos e filhas, netos e netas ainda não totalmente inseridos no mercado de trabalho.
Mas os colegas do velho mundo não contavam com uma maldita matemática. Mais pessoas aposentadas, menos contribuintes. O número de aposentados cresceria, as pessoas tendem a ter menos filhos, logo, cada vez menos pessoas novas, mas, por outro lado, cada vez mais velhinhos para o Estado custear. Nada mais do que justo, mas com que dinheiro?
De uma relação de 15 para um, pulou-se de uma relação 4 para um entre contribuinte/aposentado. E agora, José? Antes, 15 pagavam para manter o benefício de um aposentado. Em breve, 2 pagarão para manter um e, logo mais adiante, 1 pagará para manter o benefício de 2.. Como assim? É. Como assim? Não sei.
De um lado o governo cujas contas não fecham, de outro os aposentados com seus direitos adquiridos e de outro, o contribuinte esmagado no meio de uma conta que não fecha.
O Brasil segue por caminhos parecidos ao Europeu, mas por via de programas assistencialistas eleitoreiros. Estamos sobrecarregando a previdência e o Estado com ações que só dão e pouco cobram dos beneficiados. A relação de quem contribui com quem recebe benefício está desigual há décadas e caminhamos para o colapso desse modelo.
E o pior, passaremos da condição de pobres a falidos sem ter passado pelo período europeu de prosperidade. Inauguraremos o plano de desenvolvimento entre pobreza e falência sem a via próspera, sem escalas do modelo mal sucedido no primeiro mundo.
Postar um comentário