quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Tenho preguiça de discordar de você

Quando somos adolescentes, discordamos até daquilo com que concordamos só para ter o prazer de discordar. Com o tempo, perdemos essa mania de achar cabelo em ovo o tempo todo. É uma necessidade de auto-afirmação característica da idade. Claro que alguns não superam isso e passam a vida inteira agindo com se fossem adolescentes, mas isso já é a tal da síndrome de Peter Pan.
O fato é que admito que, hoje, tenho uma preguiça enorme de discordar. Argumentar, falar, buscar ponto de base para seu raciocínio, aguardar que o outro entenda, conduzir a lógica da argumentação... enfim, se não for algo que pague as minhas contas. Desisto antes de começar e concordo para não esticar a conversa. Muitas vezes, minha concordância vem expressa num silêncio sepulcral e uma onomatopéia sem nenhum sentido do tipo: éééé.... Não se trata do verbo ser, é simplesmente: éééé..... com um ar desanimado e que vai se esvaindo preguiçosamente nos pouco segundos que tem de vida.
Se opinião da pessoa é algo estapafúrdia a ponto de comprometer a sua reputação ou reputação de outro, penso qual o grau de comprometimento que eu tenho com essa pessoa. Se esse grau for suficiente para eu abrir mão de meu silêncio (e de minha onomatopéia preguiçosa) eu tento mostra a ela que existem outras maneiras de ver a mesma coisa. Se ela insistir no equívoco, desisto e solto o meu célebre e definitivo: ééé...
Não preciso (e nem quero) convencer ninguém de que uma religião é melhor do que a outra, de que um partido é melhor do que o outro, de que essa filosofia é melhor do que aquela. Não quero te convencer de nada, nem mesmo de que essa minha maneira de ver as coisas é a melhor.
Bom, se você concorda comigo, fico feliz de encontrar alguém que já se cansou também de bater boca. Se não concorda comigo...
Ééé....

11 comentários:

Blog do Franklin disse...

Ééééé...

kkkkkkkkk
Muito bom !
Eu ainda tenho o péssimo habito de bater boca, não que eu seja um adolescente... Mas também não é caso da síndrome. Acho que é só espírito questionador mesmo , mas que também sabe se valer do Ééééé quando necessário!

Um abraço!

Luisa L. disse...

Marcelo,

Substitui aí o "éeeee..." por "ãh-ãaahh". É a minha "frase" predilecta para não estender conversa. Confesso que fiquei preguiçosa já há uns anos a esta parte!

Abraços e saudades!
Luísa

Pinheiro disse...

Muito bom o texto, camarada!! Muitas vezes as pessoas interpretam essa "preguiça" como sem opinião, alienado, acomodado com as coisas e por aí vai. Mas na verdade não é nada disso, muito pelo contrário, é tanta convicção de que a opnião alheia não vai interferir na sua forma de enxergar a coisa que é gasto de energia desnecessário brigar por isso! Abraços!

Ale Ferreira disse...

É,é,é,é...
adorei isso porque é o que falo sempre quando quero finalizar a conversa. Uso também "ah, tá, tá legal, é isso aí". Não me acho com preguiça pra discordar do outro, mesmo ele estando certo, mas eu ja to sem paciência pra explicar o meu modo de ver as coias, de sentir, de viver. Então, deixa ser... é,é,é,é.
Abçs, professor!

Jackie Freitas disse...

Olá Marcelo!
Adorei o seu texto! Ééééé....rsrs... concordo contigo, mas não por preguiça de argumentar...rsrs...e sim por ser uma grande verdade! Acho que com o passar do tempo, sabemos discernir o que vale ou não a pena ser discutido...o que agrega, o que contribui, o que muda... Ouço e leio tantas "asneiras" às vezes que não me sobra outra coisa a não ser o ééééé...rsrs... Mesmo porque, muitas vezes quem diz ou escreve é tão ignorante que compraremos uma discussão sem propósito. Passei da fase de querer provar minhas opiniões e "verdades"...
Grande beijo,
Jackie

ccoppola disse...

Sabe que você tem toda a razão. Mas como fica "aquela coceira na garaganta"?
JURO QUE AINDA TENTO, MAS É IMPOSSÍVEL.
A preguiça acaba levando à omissão e não é muito bem, principalmente hoje, ser omisso.
Acho que acaba sendo prático: eu apenas escuto e que se dane o resto.
Mas dá para pensar no assunto.
Parabéns

Ludmila disse...

Eu também ando assim. Ainda mais quando eu sei que não vai adiantar absolutamente nada. E brigam comigo... Para algumas pessoas, costumo dar o exemplo da 'porta vai-e-vem': se você empurra a porta e ela volta em cima de você, o correto é ficar discutindo com ela? Acho que não. Alguns são como essas portas, não adianta tentar argumentar... é melhor soltar um "éééé" mesmo, passar por eles e seguir em frente. Não vale a pena.
Na verdade, acho que nem precisa chegar ao nível de ser porta pra me deixar com preguiça não... Sou da filosofia do Jaiminho: é pra evitar a fadiga mesmo.
Abraços. =)
(Escrevi demais, eu sei. Mas é que você tocou num ponto nevrálgico, rs)

Paulo Victor disse...

Hummm... aff... acho que ainda sou adolescente mesmo... mas acho que não tanto por convencer mas por que eu gosto do debate... é como um xadrez pensar em argumentos... ahhh sei lá... post interessante... faz a gente pensar.

Anônimo disse...

Olá...adorei o post...hoje também sou assim DA PAZ! Quanto menos argumentação melhor...só se doer no bolso, ai já é outro assunto...rsrs...abraço.

É comigo??? disse...

Realmente,discutir é para os fracos, os que acham que tem que provar alguma coisa...necessidade de auto- afimação!Eu também prefiro a essa preguiça dialética heheheeh!!!Blog bacana!!!Parabéns!!!

Susane disse...

Nossa me identifiquei bastante com esse post eu sou assim também e pensei q eu tivesse algum problema psiclogico rsrsrsr

Sério que bom que encontrei pessoas preguiçosas de discordar da opinião alheia rsrsr