sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

A arte de comentar IV – Coesão no que se escreve não é luxo...

Legal. Visite meu blog.
(O que é legal? O texto, o blogue, a maneira como foi exposto? Depois desse comentário, me dá uma boa razão para visitá-lo)

Bom...
Parágrafo não é luxo, é necessidade e dentro dele há umas coisinhas chamadas mecanismos de coesão. Há pronomes, palavras de sentidos próximos para evitar repetição, conjunções, preposições, enfim, elementos que retomem aquilo a que você se refere no texto ou fora dele. Sabe? Aquelas coisas chatas que o professor de português andou falando na aula. Pois é... aquilo, por incrível que pareça, é útil para caramba. Sugestão de ouro: releia o que você escreveu e veja se as partes do seu texto estão conectadas entre si e com o que foi dito.

kkk. Gostei. Criativo. Bom texto. Visite o meu.

Três frases conectadas pela boa vontade do leitor e que, no geral, não se referem especificamente a nada tratado no blogue, seja lá o que for o assunto. Esse é o tipo de comentário que , dada sua pouca especificidade, serve para qualquer coisa, menos expressar uma idéia com relação a um texto lido.

É claro que isso caracteriza, na imensa maioria das vezes, que o coleguinha não leu uma linha sequer (ou leu e não entendeu) e está desesperado para que o seu pontinho no DiHITT seja registrado ou que seu nome vá para a lista do COMENTE ACIMA... na comunidade. O Michell Niero, fez um comentário sobre isso na postagem anterior dessa série (A arte de comentar III) que se emoldurar vira obra de arte no Louvre ou no Hermitage. Ge-ni-al... se der tempo, dêem uma olhada.

Com trocadilho... sem comentários.

Leia também
A arte do comentário I: As comunidades e seu funcionamento básico
A arte de comentar II – Só comenta bem quem lê bem.
A arte de comentar III – Seja coerente...


Esclarecimento (mais uma vez):
O objetivo dessas postagens é esclarecer, ajudar e oferecer algumas dicas de como fazer um comentário pertinente, inteligente e que valorize o trabalho de quem postou o texto comentado. Entretanto, somos todos livres para ir até aonde queremos (e não fazê-lo) ou mesmo até aonde a natureza nos limita. É bom que fique claro que sou totalmente contra todo e qualquer tipo de censura. E por fim, acredito que ninguém é obrigado a nada por aqui e a liberdade de pensar é tão ferrenhamente defendida quanto a de não o fazer.

5 comentários:

Wander Veroni disse...

Oi, Marcelo!

Essa série, realmente, está ótima. Engraçado perceber o quanto isso está mexendo com o brio de alguns colegas pela simples provocação do debate ao assunto.

Claro, o problema é do outro. a velha desculpa. Li certa vez um problogger reclamar desse comentário programado. Nas palavras dele, há um grupo querendo promover a imbecialização da blogosfera. Enquanto há um grupo que quer ter leitores, que quer trocar idéia e, em alguns casos até se profissionalizar. Na contramão, existe um outro grupo que, por querer agradar o seu próprio ego, quer ter mais comentários, ter uma posição de destaque, muitos cliques e por aí fora. E no fritar dos ovos, cadê os leitores? Onde estão aquele que admiram o seu trabalho e vão até o seu blog pq admiram as suas idéias?

"Para quê isso?" - um responde. Se eu tiver muitos cliques, conseqüentemente, terei leitores e poderei viver da publicidade do meu blog. Você acha que alguém ler um blog por que gosta? Só blogueiros lêem blogueiros. Tá todo mundo se f***dendo.

Marcelo, como eu já briguei com esses autores. Blog também é mídia. E os autores para serem respeitados precisam respeitar o seu público.

E é por isso que lutamos pelo comentário de qualidade, pelo leitor consciente e pela interação de idéias, principalmente.

Ser coerente. Está aí uma regra de ouro. Mas sabe o que fico pensando aqui com meus botões - e que, sinceramente, faço um esforço danado para comentar: é quando você visita autores que postam um vídeo engraçado do Youtube, super batido, que todo mundo viu, inclusive a TV Aberta já passou inúmeras vezes, e ainda temos que comentar.

Nada contra os vídeos. Até pq faço alguns no meu blog. O que peço é o contexto. Qual o contexto disso? Sem uma linha de explicação. Sem uma referência, sem uma proposta.

Ou ainda, na pior das hipóteses, o autor começa o texto falando que ficou sem atualizar o blog porque não tinha idéia do que escrever, que estava sem tempo. Confesso, sem ser mesquinho, que não consigo acreditar que um autor é capaz de escrever isso.

Tal afirmação espanta leitores, com certeza. Imagina você assistir um telejornal, ler uma revista/jornal, entrar num site e o autor/apresentador fala que não teve idéia do que apresentar ao seu público? O que vc faz? Troca de canal, muda de site, joga o jornal/revista fora, perde leitor.

Então, dentro deste panorama, rogo: como comentar o que não é comentável? Fico calado, comento em outro post ou no máximo comento sobre o blog. Quem sabe isso não vire uma próxima série...hehehe...rs. Desculpe o tamanho do comentário. Mas é pq fico empolgado com o debate. Ah, já sou de casa...acho que posso ousar fazer um comentário-post....rs.


Abraço.

Mr. e Mrs. Ironia disse...

Opa!

O vosso blog foi premiado, pelo excelente conteúdo, através de um "selinho" básico.

É favor retirar seu brinde nesta postagem:

http://causacasal.blogspot.com/2008/12/selinho.html

Gratos.

Ellen Regina - facetasdemim disse...

Não necessariamente eu peneiro os blogs em que devo comentar lá nas comunidades e o resultado é q vez em quando acabo tendo q ir em alguns q são "pérolas" da blogosfera. Apesar de concordar com boa parte do seus argumentos aí em cima, Marcelo, volto a dizer q em alguns casos é preciso sacar um: "kkkkk, gostei, ahauahauaha".

Comentários vazios para blogs vazios. Comentários inteligentes para blogs inteligentes. Comentários idiotas para blogs idiotas.

Anônimo disse...

Será que comento...Será que não comento...?

Bem,ultimamente nem ando brincando de "comente no blog acima"; um pouco por falta de tempo, e outro pouco porque já fui parar em muito blog que realmente era melhor nem comentar...

Ando numa fase de só comentar o que realmente me desperte vontade falar algo, mesmo que seja bobagem. E este aqui me fez me ver na sala de aula. Excelente aula de coe~sao e coerência! Voc~e é "fessor" de Língua Portuguesa? rs

Affe..pior que meu comentário tá meio incoerente, mas não vou ler para corrigir, senão desisto e apago tudo.

Seu blog ,como sempre, está ótimo : texto, assunto, tudo...

Também detesto comentários longos demais! Mas agora já escrevi, foi.

Abs
Raquel

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Teve um cidadão que postou: Parabéns pelo post, passa lá no meu", (lógico que não passei)
Daí fui comentar em outro blog e, por coincidência ele também tinha escrito algo parecido. Dái o dono do blog foi reclamar com o comentário sem sentido,´e o dono do coementário respondeu em seguida, que não podia ler, pois estava com pressa para divulgar seu novo post, que nada mais era sobre as novas contratações dos times de futebol brasileiro, que com certeza copiou do site do Lance.
O que acontece é um individualismo, um egoísmo que impede de ler um post até o final, para assim fazer um comentário pertinente.
Muitos blogueiros acham que comentando estão perdendo tempo, mas na verdade através de um comentário inteligente é que se faz a verdadeira propaganda e consequentemente vai ganhar uns pontinhos no DiHITT, caso tenha...