quarta-feira, 22 de outubro de 2008

"Comoção nacional..." Eu já cansei.

Comoção nacional é o nome que a imprensa dá a uma desgraça com cobertura de TV, rádio, jornal e revista. A última foi a dos Nardonis, e, em meio a tanta crise econômica mundial, surgiu o caso daquele psicopata que manteve seqüestrada e matou a ex-namorada porque não aceitava o fim do namoro.

Mais uma vez, segue-se uma seqüência de decisões desastrosas da polícia e das pessoas ligadas ao caso, como sempre... Parece um script lido e decorado à exaustão.

É uma história que se repete. A contagem é cansativa se começarmos a lista do episódio do ônibus 174 até hoje (isso para não ir muito longe).
O que eu não entendo é por que as histórias se repetem de forma tão circular. Seguido a isso, temos uma comoção nacional, debates sobre a ação da polícia, avaliação de especialistas em rede nacional, câmeras exclusivas e depoimentos de pessoas que conheceram a vítima, nos bares, em frente a uma TV, pinguços inveterados questionam a tática usada pela equipe de ação da polícia e alternativas de modus operandi. Tudo repetido em um ritual macabro que oferece chamadas de plantão extraordinário do jornal a cada instante.


Mas o corpo esfria, os atores são recolhidos, os cenários desmontados. Na coxia, só o pessoal da limpeza e do apoio. Do outro lado, a platéia já deixou a sala e o gerente do teatro só espera que uma nova peça seja colocada em cartaz.
Não que ele deseje. Longe disso, mas se acontecer... vai fazer o quê?
Será que sou só eu que canso dessas coberturas?
Acho que fiquei velho, acho que fiquei chato.

Em tempo:
Acho que a imprensa tem o dever de mostrar estas coisas
(e a admiro por isso), mas tem hora que o dever se confunde com algo que não consigo entender. Aí cansa...

47 comentários:

Lilian Devlin disse...

Não, Marcelo, não é só vc que está cansado disso tudo. Com muita gente que tenho conversado, gente de cabeça sadia, tá cansada também.Só as que são chegadas a um "casinho" mórbido, é que não devem estar. O Paulo que escreve aqui até escreveu algo na mesma linha e comentou sobre as indefectíveis perguntas : E aí,como o Srº(ª) está vendo essa tragédia? É o fim, né?
E, infelizmente, outros casos assim virão e então seremos nós bombardeados dia e noite com mais uma cobertura cheia de "furos de reportagem que só a rede tal conseguiu" ...
Bjs!

Karla Hack disse...

Não ficou chato e velho não.. acredito que muita gente está cansada disto!
Afinal, o que era para ser algo informativo, algo que representasse uma mudança, virou palhaçada!
E os envolvidos passam de vítimas e réus para celebridades momentâneas...
Li no blog de uma menina que mora na cidade dos fatos falando que agora a cidade é ponto turístico!
Assino embaixo no que vc disse!
CANSEI!

;P

bjus

Lomyne disse...

Acho que você reparou que eu não tenho o tempo que gostaria, certo? Por falta de tempo, ainda está engavetado um post meu sobre isso, com discurso bem semelhante ao seu. Eu diria que tirou as palavras da minha boca, exceto pelo fato de que estamos digitando.

Particularmente, considero um absurdo essa espetacularização de um sequestro, uma morte. Porra, 30 mil em um velório? Incluindo a professora de geografia que mal sabia o nome dela e também a garota da outra turma que dizia pra todo mundo que a Eloá era uma biscate! Comoção nacional é o cacete, trata-se de 15 minutos de fama para o tiozinho do bar. Lembra do Bugu, das historinhas da Turma da Mônica? Pois é, Alô, mamãe!. Ou, num termo mais moderninho, filma eu, Galvão!

Estes pais acabaram de perder a filha e sequer podem chorá-la em paz. E para quê a imprensa enche o saco da família, hein? O que diabos eles dirão além de "queremos justiça, ele tem que pagar, a polícia é incompetente, minha filha não merecia isso, ela está no céu agora, estamos muito tristes"? Eu me pergunto o que a imprensa faria se a família dissesse: "ah, tá beleza, aqui em casa tamos fazendo um churrasquinho, já contando com a grana da indeninzação que o governo vai dar pra gente, ainda bem que nossa filha morreu. Falando nisso, sobrou um dos rins, sabe de alguém que queira comprar?"

Não será muita hipocrisia precisar de uma catástrofe para que as pessoas tenham consciência de que nossa polícia é péssima? E por acaso não é absurdo pensar que o ônibus 174 já desapareceu da memória das pessoas?

Essa comoção é patética e aqueles que se atreverem a lembrar serão classificados de chatos daqui a trinta dias. Sessenta, no máximo.

Capilo disse...

Um absurdo a cobertura midiática desses "eventos". Nesse último, quanto a polícia tentava falar com o sequestrador, o telefone dava ocupado. Ele estava ao vivo dando uma entrevista pra Sônia Abrão. Uma vergonha esse tipo de coisa acontecer. Depois entrou ao vivo na Record e em conversa gravada na Globo.

Em relação a isso a mídia não discute, ela nunca está errada. E não me canso de pensar que se a imprensa não faz o estardalhaço que faz, a probabilidade de desastre seria infinitamente menor.

andre disse...

pior, pensei que era só eu que estava ficando velho e chato!!

All3X disse...

O comentário de Lilian lá em cima é muito bom, estou junto em seu coro.
Entra escândalo, sai escândalo, a mída adora vender a barbárie no varejo e no atacado, para ver se o ibope sobe um pouco em tempos que a TV perde um pouco de sua audiência para outras emissoras, e para a internet...
Estou farto de casos que se repetem e soluções que não aparecem.
Valeu,
All3X

Jack Parker disse...

Olha, fiquei bem triste com esse desfecho...Mas nem era pra isso ter acontecido...
Tipo, axo que a imprensa é muito forçada em relação a isso...Se elas tivessem noticiado e pronto, tudo bem...Mas ela se fixa em um assunto só, o que causa a "comoção nacional".
Vei, se não tivesse todo essa barra em cima deste fato, nínguem teria sequer conhecido esse sequestro...Seria só um sequestro e pronto...Não teria mudança de nome de comunidade, não teria luto em orkuts, e etc...
Olha o tanto de gente que morre aí, e nínguem nem sabe...

Lamentável isso...
Mas realmente foi uma pena o desfecho trágico...


Abraços !
(e muito bom seus textos)

Flávia Damato disse...

Se a questão é ficar velho e chato, incluo-me nessa, ou nos excluo a todos q concordam c/ a sua visão sobre o assunto.

Faço minhas as suas palavras e as da Lomyne, em especial, assim como os demais q mostraram sua posição favorável ao texto (já q tbm concordo c/ o mesmo).
Acrescento, apenas, + uma observação às suas considerações finais: Acho q quando se chega ao ponto d um velório se transformar, por exemplo, em atração turística (sem citar tantos outros pontos patéticos numa situação como essa), o dever se confunde c/ a tal "guerrinha d egos" das emissoras d TV; pouco importa o assunto, ou a dor dos familiares, ou o possível prejuízo emocional q toda essa especulação possa causar às vítimas, desde q se alcance o ápice da audiência.

E volta-se àquelas discussões intermináveis, repetitivas e cansativas (pois não se chega a lugar algum) sobre a ação policial em casos d extrema tensão como este último. Se a polícia atira, outra comoção nacional em favor do seqüestrador; se não atira, corre-se o risco d desfechos trágicos como o ocorrido. E por que equipamentos p/ uso da polícia foram comprados há alguns anos e, simplismente, inutilizados? Não teriam sido úteis? É d "arrancar os cabelos"...

Mas como disseram, logo o caso Eloá também será esquecido. Um exemplo bem lembrado foi do ônibus 174. Quem se lembra do nome da mulher q morreu? É... é isso aí.

E assim, rola-se a bola d neve...

Em tempo: ainda o considero d outro planeta! rs

Bjs!!!

Miss K disse...

hum tenho certeza que não é só vc que cansou disso...
o pior de tudo é que falam falam falam mais nunca muda nada!

Anônimo disse...

Não sei qual tragédia é maior. A de ver uma vida ser retirada na nossa frente, dentro da nossa casa, tão jovem, tão cruelmente. Ou se ver dentro de uma guerra pelo ibope capaz de extrair cada segundo, cada palavra, cada lágrima de uma tragédia. E esperar pela próxima catástrofe. As duas coisas são igualmente desumanas. Ou demasiadamente humanas, não sei.

Anônimo disse...

Até que enfim encontrei pessoas com opiniões semelhantes...
È desgastante o modo com o qual a mídia vincula as notícias: é lógico a ideologia- a notícia não visa somente informar um fato e/ou narrar algum acontecimento. A mesma é um produto industrial ideologicamente marcado que visa "vender informações" e muitas das vezes ainda opinar por meio delas... Ou seja, perde-se o caráter mero informativo e acrescenta a ele muito interesse pessoal. È fato que o acontecido é chocante, porém: milhares de crianças, jovens, adultos, velhor e até bebês sofrem de violência e morrem por atos desumanos e sofridos: e nada é feito para amenizar essa situação, apenas aguarda-se a próxima "bomba" para explorá-la ao máximo e lucar ao máximo também....

Estou muito triste sim por tudo o que ocorreu com aquela jovem. Sinto muito, mas muito no real sentido da palavra, por sua família e amigos que sofreram a perca. Agora, cabe a mídia respeitar esse momento doloroso e deixar de interessar-se em entrevistar até o "carinha da banca de cachorro quente, que, porventura, a vítima tenha um dia qualquer comprado um cachorro quente" afim de saber sua personalidade..

Isso é o que chamo de BRASIL!

Anônimo disse...

hmm, uma verdadeira merda. cansei. mais do que isso, quero fazer algo. por agora soh estou estudando (quero ser juiz), mas mesmo assim acho q poderia fazer algo a mais.

flw
-Jr

Blogueiro Lecal disse...

Concordo, já to de saco cheio desses programinhas sensacionalistas o pior de tudo é que eles tem uma ótima audiêncianão sei como alguem consegue assistir + de 5 minutos disso

30 e poucos anos. disse...

Infelizmente a guerra por audiencia faz com que os fatos sejam exagerados ... quanto tempo ainda vamos ver políciais diferentes indo nos canais de TV dando depoimentos sobre o caso Eloá ?
Explorar a tragédia sempre foi mais IBOPE do que a felicidade.

Raphaela disse...

Olá vi seu blog na comu do orkut.
Pois é, a mídia é mais que sensacionalista, ela é capitalista: o que tá na moda, o que é 'novidade' sempre vai gerer muito lucro para a imprensa.
Muito bom texto,espero que essa realidade mude e que haja uma melhor imprensa no futuro!!!!
abraços.

Anônimo disse...

Nossa... que bom saber que eu não sou a única... chego até a impressão que é a Sõnia abraao que faz novena pra essas coisas acontecerem... O Brasil me envergonha, toda vez que acho que ele está 'melhorando'...

A hiprocrisia é tanta que depois que souberam que o pai da menina era assassino, pararam de falar dela....

Ridiculo demais!

Julio Cesar disse...

pior, pensei que era só eu que estava ficando velho e chato!![²]

Besteira a 4 disse...

sim, cara eu tbm cansei!
a midia ta nem ligando pro sofrimento da familia, o importante é que estão ganhando ibope, é o que eles querem.
alem de ter que aturar com falso luto por msn's e orkuts, fala serio.

Juka

Emerson Silva disse...

Gostei do texto..
Concordo plenamente!!

Alexandre Silva disse...

Esse ano tá sendo "ótimo" pra imprensa e principalmente pra urubuzada do povo brasileiro. Nardoni e agora Eloá! Fiz um post sobre isso, e só repito o q disse lá: povo brasileiro adora uma tragédia pra fugir da sua rotina. Adora acusar, e a imprensa adora fazer o circo pegar fogo e ver o palhaço morrer lá dentro...
É um saco! Ou os 2 pés enfiados nele

Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

Alcione Torres disse...

A imprensa conseguiu tranformar o fato num circo e ainda pintou o assassino de coitadinho!!
Absurdo!

http://sodesafio.blogspot.com/

Veiga disse...

é uma vergonha!!

só no Brasil msm.


www.trocistas.com

Ju disse...

é uma palhaçada! a mídia no brasil eh uma palhaçada total!

Anônimo disse...

Concordo plenamente com isso que vc escreveu ai,
gostei do teu blog,
bom estilo,
bem escrito e interessante.
Parabéns....


vai lá no meu
http://pcsouzabv.blog.uol.com.br/

Nério Júnior disse...

Realmente a imprensa com a idéia de cobrir o caso, acabam transformando tudo em show para conseguir audiência! No caso da Eloá, as emissoras até entrevistavam o bandido! Isso não tem lógica!
Uma vez fui até uma emissora de TV ( Curso Comunicação Social, chegando lá fiquei decepcionado porque eles só falam em dinheiro, em propaganda, em aumentar os lucrso! A programação não tem importtância nenhuma, desde que traga lucros!

http://neriojunior.blogspot.com

Dj Magu disse...

ótimo texto
realmente é isso velho, o que da audiência pra tv é isso a mizeria dos outros.
e é sempre a mesma merda, dias e dias fazendo "cobertura" dos fatos, mas logo depois some tudo.
e assim continua a história.

Gran Magic Carmesin: Nat Valarini disse...

Boa tarde!

Estou com o saco tão cheio quanto o seu. É inacreditável como os (anti)profissionais de mídia podem ser sensacionalistas.

É um desrespeito à vitima e à sua família.


http://garotapendurada.blogspot.com/

Anônimo disse...

Cara concordo contigo, acontece todos os dias, a cada minuto em nosso Pais e ninguém mostra P... Nenhuma!

Michell Niero disse...

Acredito que deva ser pelo menos motivo que certas pessoas têm o estranho hábito de furar o polegar para ver o sangue escorrendo. Nós gostamos desgraçada, de sangue, do bizarro. Tudo isso é critério de noticiabilidade nos jornais.

É fica mais saboroso que há requintes hollywoodianos em jogo. Aí se torna um entretenimento, um espetáculo. Às favas os escrúpulos, é o que a imprensa tradicional diz.

A. disse...

Gostei do trecho da música que você comentou: "Se eu for ligar para o que é que vou falar não faço nada." Eu cansei disso já... Sobre sua postagem, infelizmente vivemos nesse mundo. Abraços ;)

http://imcrazy.zip.net/

A disse...

Infelizmente vivemos neste Brasil.
Vaaleu pelo recado, gostei do trecho daquela música. Abraços ;)

http://imcrazy.zip.net/

A'ZaF disse...

è sempre assim...eles (os jornalistas e a imprensa em geral) só precisam dos mocinhos e dos vilões para promover uma "carnificina" e a partir da dor e tragédia alheia aumentarem seus preciosos pontos no ibop...doa a quem doer, custe o que custar. E quando indagados sobre isso, respondem que é serviço da imprensa levar informação aos cidadãos.

Se isso cansa? À nós cansa, torna-se algo até repudiante ligar a tv, pois sabemos que estará passando a mesma coisa, mortes, acidentes, violência, é uma constante e não vai mudar: Enquanto houver dor alheia muitas pessoas vão usá-la para se promover.

abrax o/

M.A.R disse...

|Xará, como jornalista, compreendo totalmente o que dizes...e concordo em gênero, grau e número. A partir do momento em que começam a narrar a doação de órgãos de uma pessoa na mídia, aí a coisa toda virou açougue de 5ª categoria

um abraço!

Tiago disse...

Vou tentar ser breve, pois o assunto é inflamado: é fato que a ação da polícia foi um desastre. Que essa tragédia toda sirva, pelo menos, para se investir num treinamento para a polícia. Quanto à cobertura da imprensa, me deu nojo saber que a Record (e parece que outras) fez uma entrevista ao vivo pelo celular com o Lindemberg, assim como me deu nojo a matéria no Jornal Hoje agora há pouco com o namorado da Nayara e amigos da Eloá, somente para chafurdar na miséria humana e não acrescentar nada. A única coisa louvável que a imprensa fez foi mostrar (à exaustão) a doação dos órgãos da Eloá. Acho até que deveriam ter aproveitado esse gancho para promover a conscientização dos brasileiros em prol da doação, dada exatamente a comoção do caso.

Tiago disse...

Marcelo, dei uma olhada no seu post sobre lendas urbanas. Não preciso nem dizer que me divertir horrores. Loira do banheiro, boneco do Fofão, disco da Xuxa, perna cabeluda (essa eu acho que é mais regional), todas essas são lendas urbanas que marcaram minha infância. Mas eu quis focar mesmo nas lendas urbanas "mudernas", espalhadas com o advento da "internê". Ah! E eu vou te mandar o link do post em que eu falo dessa oitava maravilha trazida pela world wide web: a corrente por e-mail!

Anna Corbo disse...

recuso-me a falar neste assunto... "tô se saco cheio"...

bjim, marcelo

Marcio Sarge disse...

Fico desanimado com toda essa balburdia, não bastasse a tragédia em si, a mim qualquer tragédia bastaria para alimentar meu desânimo.
Mas há algo além. Há há hipocrisia deslavada estampada em cada noticiário, corroborada pelos seu seguidores, gente que com firmeza na voz diz não haver respeito do jornalismo com a dor alheia, mas com os olhos atestam sua falta de humanidade.
Acredito que muito dos "erros" que atribuem a policia deriva das criticas dada por gente que não entende nada da situação mas vê nessa ladainha televisiva toda uma forma de ganhar pontos no Ibope. Então vacila o homem da lei: Salvo uma vida do jeito certo ou do jeito da televisão?

Essa mesmas pessoas que reclamam da cobertura das tvs, devem acordar para o fato que quem alimenta esse monstro somos nós mesmo, é dado a nós mata-lo também.

Abraço.

Marcio Sarge disse...

Só mais uma coisa: Eu não acredito que nossa policia seja tão ruim como nós apresentam.
Acredito sim na falta de vontade política para que ela passe da esforçada a eficaz.
É fácil culpar o lado mais frágil da balança.

Euzer Lopes disse...

Marcelo, sabe o que cansa? Cansa é ver essas emissorazinhas de TV meia-boca que adoram transmitir para "pobres" que só sabem creditar as desgraças ao "diabo", essas coisas em forma de telenovela. Aí, seqüestrador vira "bandido", "meliante", "monstro" e uma saraivada de adjetivos que, sinceramente, me dão náuseas.
De repente, eu percebo que meu lado sádico é apenas um delírio e passo numa GloboNews e percebo que eu estava vendo "outra história".

Wander Veroni disse...

Oi, Marcelo!

Como profissional da imprensa mineira, vou fazer mea-culpa e falar: todo mundo está cansado deste tipo de cobertura. Só que as emissoras, desesperadas pela audiência e pelo poder a qualquer custo, ainda acham que o espetáculo é a melhor fonte de visibilidade.

Particularmente, não gosto. Já tive oportunidade de participar da cobertura policial e o que mais me irrita é essa glamorização do crime. Nesse caso de Santo André, em particular, o bandido usou e abusou da imprensa, fez todo mundo de idiota...e continua fazendo!

Bom, se eu continuar a escrever vai virar um post-comentário...hehehe

Abração,

=]
----------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Anônimo disse...

Esses fatos que acontecem realmente irritam. A forma como a mídia trata o assunto é da pior forma possivel. De repente surgem especialistas de todos os cantos, e se critica todo mundo, menos o criminoso.

Um bom exemplo da atuação da mídia nesse caso, é a santificação das sequestradas. Achei um absurdo o enterro dessa menina reunir 10 mil pessoas.

Mas esse show deve terminar quando o próximo BBB estrear.

Tchau.

Danilo Cruz disse...

Você não está só, também não suporto isso.

Tá certo que isso tem que ser mostrado, mas a impressa exagera xD

Anônimo disse...

Acho que não é velhice não, nem chatura, é a imprensa mesmo.
Impressionante como sempre tentam tirar um pedaço da tragédia. Sempre criam uma moçinha e o vilão e fazem o maior espetáculo sobre o acontecimento.
Bem, em tempos de desemprego, pelo menos dá trabalho a alguns atores sem nome, ainda.

Ivan disse...

Muito bom o que voce escreveu, eu mesmo ja tinha escrito algo a respeito, mas fui um pouco mais acido e indignado com tudo isso, conseguiste resumir em poucas palavras sua revolta, a minha e pelo visto de muitos outros com a situação dessa imprensa e de todos esses "atores" que fazem esse espetáculo

Ana Carolina disse...

O que a imprensa tem feito com esse tipo de caso (Nardoni e Eloá) vai muito além de cumprimento do dever de informação. É questao mesmo de lucrar com a exploração da desgraça alheia.

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Eu também escrevi um texto colocando em questão o poder da mídia em casos como esse. É lamantavél ver a comoção nacional que para mim se chama falso moralismo nacional.

Abraços!!!


http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/

Ellen Regina - facetasdemim disse...

Para ser bem honesta um dos poucos [quase o único] jornalista de quem ainda consigo ouvir as notícias é o Ricardo Boechat em seu programa matinal na rádio BandNews FM [www.bandnewsfm.com.br]. Ele trata os assuntos sem puxar sardinha para ninguém. Acusa quem tem q acusar, dá os nomes aos bois, é inteligentíssimo e faz um jornalismo sério, ético, competente, muito próximo do q eu acho ideal.

Telejornais e outras rádios jornalísticas me tiram a paciência. Ora pela parcialidade com q alguns tratam as notícias, ora pela "indução" jornalística por um ou outro tema [e que o silêncio diga amém].