domingo, 27 de novembro de 2016

"Felicidade": é preciso vigiar sempre


Felicidade é um momento rápido e fugaz, do tipo  de uma partícula dessas que a ciência descobre de vez em quando e avisa: eis a menor partícula já vista no universo. Até que se descobrirá, amanhã ou depois, outra menor. Definitivamente, felicidade não é um lugar, é uma fração de existência que nos obriga a estar atentos para hora que ela passa, pois quando percebemos, já se foi e é passado.

É preciso vigiar, é preciso estar sempre atento.
Às vezes, nós a encontramos nas memórias. Ela também fica lá em forma de tudo que foi e também na forma do que não foi, mas a gente queria tanto que tivesse sido. E, por alguns instantes, desejamos que mesmo a maior mentira que nos feriu tanto nos permitisse que a congelássemos no último segunda antes de descobri-la (congelar enquanto nos era uma doce verdade) e que nos fazia tão feliz. Mas a felicidade é fugaz, se foi e começou e acabou naquele segundo. Depois, só nos resta a nossa história que carregamos na algibeira.
Por isso é preciso vigiar a cada instante.

É como aquele flor no concreto que passamos no caminho para algum lugar. Se não prestarmos atenção e olharmos para baixo ou para o lado, esquecermos por alguns instantes aonde queremos chegar, ela fica lá. Por um segundo, pois alguns minutos, durando um pouquinho mais do que o tal pedaço de átomo. Mas a cada passo nosso adiante, ela vira um pedaço do passado...

Que só nos resta carregar na algibeira....


Postar um comentário