sexta-feira, 29 de julho de 2016

A moça e as vaias - um mundo cada vez mais babaca

Quando digo que chafurdamos em um mar de intolerância (e hipocrisia) nos dias atuais não é exagero. Conheço gente que diz que quem concorda com ele é sensato e consciente, agora, quem discorda é um fascista nojento repulsivo infame que não merece nem ser ouvido. É uma espécie de sub-cidadão de quem se deveria ser destituído qualquer direito a voz. Falei sobre isso no texto anterior (A celebridade e a intolerância). 
Dessa vez, o que me chamou atenção foi o caso da YouTuber/facebooker e atriz Marcela Tavares. Para quem não conhece, ela é atriz, simpática, bonitinha, baixinha, engraçada e tem um jeito histriônico de falar no seu canal...Ela fala gritando e fazendo um escândalo que, para mim, que já virei a casa dos 40, é muito estranho(mas eu assino canal dela...kkk). Mas convenhamos, ela é, boa parte das vezes, bem cômica e tem um público que compra o seu gênero 100%.
O fato é que a moça foi fazer um show de humor em Nova Iorque e lá pelas tantas ela fez uma piada dizendo que a crise no Brasil estava tão brava que as pessoas acessavam mais sites de empregos do que o facebook [ponto final]. A seguir, foi estrondosamente vaiada pela plateia de brasileiros que estavam ali exatamente fugindo da crise de empregos do Brasil (ops!!). Não fosse isso estariam todos aqui na terrinha trabalhando e ganhando bem. Enfim, eles vaiaram o quê? Talvez, o óbvio das feridas abertas.
A piada da moça não teve nada de mais. Nem foi das suas melhores, mas como fuçou forte em feridas tão abertas! Eis então, as vaias que são, como sabemos, um reflexo da estupidez humana expandida pelo que se chama efeito manada... Um fez e o do lado faz sem saber por quê, mas fez.
É público e notório que vivemos em tempos em que se faz necessária uma consulta pública a cada comentário, pois a polícia do unipensar (ORWELL, George em seu livro 1984) determina que palavras podem ser usadas e um simples bom dia, pode soar como um ato de vilipêndio àqueles que vivem em condições que não lhes permita ter um bom dia. Sorrir, hoje, é definitivamente uma afronta, a quem não tem dentes. 
Mas enfim, babaquices à parte, a moça foi e gravou um vídeo chorando e pedindo desculpas e dizendo que não quis ofender. Acho que ela deu mole nisso, pois quem tem um canal no YouTube e essa exposição em mídias sociais tem que aprender a lidar com haters (os odiadores profissionais). Quando eles estão a sua frente, é claro que é mais difícil, mas é um aprendizagem.  Achei uma babaquice o que fizeram com ela.... mas enfim...

Se tivesse que dizer alguma coisa para a moça, eu diria: esquenta, não, garota. Muitos desses caras são uns "Zé ruelas" que estavam na merda no Brasil e foram para lá fazer, na maioria das vezes, serviço que americano não quer fazer. Você faz o que gosta e faz bem e, sobretudo, no seu país... E, por fim, aprenda que um dia os babacas vão dominar o mundo, afinal, são a  maioria. A gente tem que aprender a lidar com isso. 
Postar um comentário