sábado, 25 de abril de 2015

E quem foi que disse isso?

O Veríssimo tem um texto fantástico chamado “Os Bárbaros”. Inspirei meu título nesse último. Acho essa relação entre palavras muito espirituosa, mas agora, o que gosto mesmo são de frases lugares-comuns. O senso comum nos leva a repetição mecânica de algumas coisas que me fazem pensar até quando vamos colocar o cérebro no piloto automático. Fiz uma lista das minhas frases automáticas preferidas:


A justiça tarda, mas não falha. Na verdade, quando costuma a tardar isso já é falhar porque tardar já é uma maneira de falhar com quem espera alguma coisa dela.


O brasileiro não sabe votar. Pois, antes não soubesse. Dessa forma, nem ia lá. Ou errava o caminho sempre. O problema é que sabe, mas ainda não percebeu que o que motiva o seu voto está longe do ideal comum e que sua miséria (financeira ou moral) o impele a decidir por fulano ou beltrano. Antes não soubesse votar.

A voz do povo é a voz de Deus. Acredito que Deus não assine embaixo disso. Ou, então, tentemos convencer ao que nos mostra a história da Alemanha nazista... A voz do povo não foi a voz de Deus. Ou Deus estava de brincadeira com os negros e judeus. Se falar que a voz do povo condenou Jesus à cruz e libertou um ladrão. Não creio nisso.

É melhor ser pobre com saúde do que rico com uma doença terrível. Caramba... Não dá para ser rico e ter saúde. Que compensação! E pobre com doença terrível... Esse cara está ferrado. Motivo para rir? Só quando chegar o vidro de chumbinhos e as giletes que comprou pela internet.

O governo quer ver o povo mais ignorante. Para início de conversa, governo é uma abstração mítica, já diz uma amiga minha. O governo não quer ver o povo mais ignorante. O "governo", no geral, não quer ver o povo... ignorante ou não.

A vida começa depois dos 40. Se você nasceu com 39 anos, 11 meses e 28 dias (mais ou menos), isso é uma profunda verdade. Se não... corre, camarada que a expectativa de vida de um brasileiro só te dá mais um turno desse. No sentido figurado, acho que quem disse isso pela primeira vez, teve uma merda de 39 anos anteriores...

Quem desdenha quer comprar. Ok. Eu passei vi um monte de merda na calçada. Desdenhei, ou seja, fiz pouco caso. Logo, eu quero comprar o monte merda.. ahã.. entendi.

Todo regra tem uma exceção. Sim. E isso, de certa forma é uma regra. Logo, ela também tem uma exceção, Dessa forma, nem todo uma regra tem exceção. Entendeu? ah.. deixa pra lá...

Sorte no amor, azar no jogo. E vice-versa. Conheço gente que é azarado nos dois. E não é pouco não.

Por trás de uma um grande homem, há sempre uma grande mulher. Será? Nietszche não tinha mulher, Gandhi era celibatário, Cristo até que se prove o contrário não era casado, Leonardo da Vinci era solteiro, Galileu, Socrátes, Platão, Buda, Van Gogh, S. Francisco de Assis também... Bom, já dá para parar por aqui.

Quando eu gosto eu gosto, mas quando eu não gosto eu não gosto. Eu também quanto eu entendo, eu entendo, mas quando eu não entendo eu não entendo. E quando eu vou eu vou, mas quando eu não vou eu fico... não parece óbvio demais esse raciocínio?

Quem cala consente. Não. Quem cala pode simplesmente pode estar abrindo mão de entrar numa discussão sem finalidade nenhuma com uma pessoa totalmente idiota e com quem não vale a pena alongar o papo.


Abdicamos do senso crítico e nem percebemos que o uso mecânico das palavras veicula uma ideologia dominante quando nos impelem a repetir sem pensar, agir sem refletir.

Em tempo: já viu propaganda de banco que alardeia que AQUI SUA POUPANÇA CRESCE TODO MÊS! Lá e em tudo que é poupança no mundo. Se não for assim, não é poupança, é conta corrente, né...
Postar um comentário