terça-feira, 8 de julho de 2014

Brasileiro: o mais feio dos patinhos

Que o brasileiro tem complexo de patinho feio, isso nós já sabemos. Quando viaja para o exterior volta com a arma carregada falando mal de tudo que se encontra do aeroporto para fora. Tudo no exterior, das pessoas às coisas, tudo é perfeito. Quando moram lá durante alguns anos relativizam as coisas e veem que há coisas e pessoas boas e ruins em todos os lugares, mas enquanto é turista, tudo é lindo e perfeito.
Quando houve a vaia ao hino do Chile em Belo Horizonte, uma multidão de seres ilibados e tocados pela perfeição divina, encarnação tupiniquim dos anjos que cercam o Pai, se apressaram a pedir perdão aos chilenos, quase de joelhos demonstrando sua superioridade a todos os bárbaros que nessa terra compartilham o mesmo título de brasileiro.
Esqueceram-se das vaias do Chile ao hino brasileiro, esqueceram da fraude do Chile em 1989, esqueceram dos vândalos chilenos que quebraram o centro de imprensa do Maracanã e foram mandados embora do Brasil. Esqueceram tudo e de joelhos gritaram ó povo chileno, perdoai-os, pois eles, os bárbaros brasileiros que não me representam, não sabem o que fazem. 
Esse é o outro lado do complexo de patinho feio, o complexo de anjo caído. Há uma multidão de brasileiros que tem certeza de que é muito superior ao povo que a cerca. Considera-se incorruptível, pura, correta, merecedora de políticos à altura de sua pureza e perfeição.
Antes da Copa, havia o mote “imagina na Copa”, agora durante a Copa, existe o “tinha que ser coisa de brasileiro”, “isso não me representa”, enfim, uma ilha de perfeição no meio do caos suado dos trópicos.
Gente honesta e picareta, educada e mal educada, ignorante e culta, alienada e politizada, inteligente e burra tem em todo lugar do mundo. Em uns, onde a lei é mais rígida, comportamentos escrotos são menos ocorrentes, mas existem e bastante. A escrotidão é um patrimônio da espécie humana e  não só do brasileiro. Sim. Às vezes (eu disse "às vezes"), menos lá do que aqui, mas existem mesmo que mais sutis.
Aí argumentam "Mas os brasileiros vaiaram primeiro"... E os chilenos vaiaram depois, por isso, eles estão mais certos e os brasileiros estão errados. Isso nos torna mal educados e torna os chilenos mal educados também e imaturos, uma vez que qualquer pessoa madura reagiria com o silêncio.

Enfim, queridos compatriotas, vamos deixar de babaquice.
  

Postar um comentário