quarta-feira, 28 de maio de 2014

A esteira ergométrica do mal

Para início de conversa, tenho inúmeras restrições àquelas pessoas que fazem ginástica que somam dançam, ritmo e multiculturalismo. Não desgosto das pessoas na verdade, o que me irrita é o sorrisso delas. Parece que elas acordam, dão um sorriso e aplicam fixador. Daí, seguem o dia com a cara do Coringa: Why so serious
E o cara diz que você perde peso se divertindo. Alô, amigo, eu me divirto jogando Call of duty e não perdi UM quilinho sequer! Isso é como dizer para o cara que descarrega farinha que ele ganha músculos e perde peso trabalhando. Uma política Pollyana de ser.
Quer coisa melhor que isso? Olha… se não for pedir demais, quero sim.
Mas o que me estressa mesmo são as esteiras ergométricas. Se você comprar uma e deixar em casa ela servirá de cabide, por isso usamos as da academia. Elas foram projetadas por alienígenas e possuem a capacidade de alterar (distorcer) o tempo. Começamos a fazer esteira no horário do Bom dia Brasil e olhamos o tempo (8:05), acaba o Bom dia Brasil e começa a Ana Maria Braga (8:10), começa e termina o Bem Estar e o tempo da esteira marca (8:15), começa e termina o Encontro com Fátima Bernardes, tempo da esteira, 8:20. Conclusão, 4 horas de vida são registradas como 20 minutos de esteira. Simples assim…. E o melhor, você gastou 100 calorias o que lhe permite consumir um pão de queijo (dos pequenos) sem culpa. 

É por que não tenho escolha e tenho que fazer já que estou com 42 anos e um infarto na minha idade me impedirá de comer pão de queijo até a próxima encarnação.

Se não fosse isso... ah se não fosse isso.
Postar um comentário