segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Rótulos, para que te quero?


Vejo como é engraçada essa necessidade do ser humano de identificação com alguma coisa, uma ideologia, um grupo, uma tendência, enfim, uma qualquer coisa que o torne diferente, fazendo-o igual aos outros. Eis o grande paradoxo: a buscar da diferenciação sendo cada vez mais igual aos outros.
E batem no peito: sou comunista, sou capitalista, sou ateu, sou cristão, sou negro, sou branco, sou homo, sou hetero, sou um time de futebol, sou X, mas não sou Y. Y são errados de acordo com o que pensam o Xs como eu. Os Xs estão certos por isso sou um X.
As pessoas não esquecem que não somos nada, estamos tudo. Somos um processo e nunca um produto finalizado. Mas mesmo assim, para alimentar sua arrogância continuam batendo no peito e colando seu rótulo favorito. Isso quando não se contentam com ele e dedicam sua vida a enaltecer seu rótulo pela depreciação do outro. O que constitui exercício cotidiano na grande maioria.
Esse é o ponto que em que a prepotência engole a maturidade, pois quanto mais amadurecemos passamos a entender melhor o outro, suas necessidades e dores. Assim como as nossas dores. A maturidade nos dispensa da necessidade de convencer o outro de que o que ele acredite que está errado e de que o que nos acreditamos é o único correto pensar.
O problema é que a vida traz dias e dias só trazem aprendizagem e crescimento quando nos dispomos a recebê-los. A maturidade não é compulsória, é opcional.

Ah sim... antes que me esqueça... O nosso único rótulo legítimo e inalienável é "futura comida de vermes".
Postar um comentário