terça-feira, 17 de julho de 2012

A nossa idade é a idade que a gente tem... e não sejamos ridículos.


Eu ouvi , durante a vida toda, as pessoas dizendo que a idade está na cabeça de cada um. Afirmação que dava a condição de uma pessoa de 40 anos agir como um garoto de 17, pois ele tinha uma cabeça jovem. Quando jovem, eu tinha pouca condição de contestar essa afirmativa assim como outras sem sentido do tipo a voz do povo é a voz de Deus (Acho que só Barrabás achou sensata essa afirmativa). Hoje, aos 41 sinto-me com uma cabeça de 41 dentro de um corpo de 41, vestido como um homem de 41 e fazendo coisas que um homem de 41 que tem dois filhos, esposa e contas faz.
O que as pessoas não veem é que nos, homens, também somos frágeis e, nessa idade, em que nos aproxima o crepúsculo das faixas etárias (ficou poético, não?), sentimos o peso, sentimos autoestima pesar e muitos de nós sucumbem na síndrome de Peter Pan. Alguns desfazem casamentos de anos, grudam numa menina de 18 anos e desfilam entre os amiguinhos dela falando gíria, saem dançando funk se enchem de tatuagens da moda. É aí que eu quero chegar...
Se comportar como um adolescente não vai te trazer a adolescência de volta. Acabou. Cada idade traz uma coisa legal que é a maturidade de olhar para traz e poder perceber que os prazeres daquela época agora são outros. Não são melhores nem piores, mas outros. Tendemos a olhar para traz com pesar do que ficou e perdemos o que nos é dado no momento. Acabamos nos comportando como se agindo de forma adolescente seremos adolescentes. Não. Não seremos. Seremos ridículos... Entretanto, como diz o meu querido pai: Nada melhor nessa vida do que ser ridículo e não se dar conta disso, não é?

Acredite! Idade não está na sua cabeça, está sua cédula de identidade. O que está na sua cabeça é a idade que você gostaria de ter e como diz a garotada do facebook:

#fato
Postar um comentário