sexta-feira, 25 de maio de 2012

A queda dos pequenos reinos


Acho interessante como as pessoas erguem seus pequenos reinos nesse plano existencial e fazem dele sua morada eterna. À frente de uma empresa, de uma associação, de uma fundação, de uma organização qualquer, o pequeno liderzinho que me lembra o mini-me do Austin Powers berra do alto de sua montanha como se seus gritos fossem ecoar para todo o sempre e seus servos se curvarem até os fins dos dias.
MiniMe
Mas se até o império romano caiu o que leva esses pequenos césares a acreditarem na eternidade? 
Acredito que tudo isso decorre da perda de temporalidade e da ausência da percepção de que nossa contagem regressiva para deixar um lugar ou uma posição de destaque começa quando sentamos na cadeira. Que sejam 10 dias, dez meses ou dez anos, mas nada se estenderá além do tamanho de seu tempo. Todavia, envolto nas adulações, nas tramas e nas intrigas ele se perde e, como o princípe de Maquiavel, faz de tudo para se perpetuar no poder. Entretanto, sua vida é limitada e seu tempo na cadeira termina nem que seja com o tempo de sua vida.
Lá fora, os desafetos que fizeram para a perpetuação do poder aguardam como abutres prontos para o devorarem, dilacerarem sua carne, e espalharem história de quanto ele foi mau (ainda que não o tenha sido). Mas afinal, isso justifica toda e qualquer atitude que se tome contra ele e todos os seus. A queda dos pequenos reinos são sempre assim, seguidas de mágoas, mentiras, injúrias, calúnias e, acima de tudo, vingança.
Toda vez que vejo cair um pequeno rei, segue-se a isso sua imagem desolada dele com a perda do trono. Longe de me vangloriar com seu "infortúnio", sinto-me invadido de piedade com aquele que continua lamentando a perda do que não era seu, pois esse ainda continua cego e sem nada ter.

2 comentários:

Erica Matos disse...

Nestes meus anos de existência, já vi de tudo um pouco, e por último tive acesso direto a este tipo de situação.Para esta situação gravei em minha mente uma frase que serve de referencia a este tipo de comportamento, que é: "Dê poder ao Homem e saberás que ele realmente é!". A única coisa que esquecem é que este plano é somente de passagem.

Em Pauta disse...

é verdade caro amigo. muito boa suas palavras. é incrível como muitos de nós sentem-se "senhores do conselho" de seus próprios mundos! Excelente reflexão! parabéns pelo texto.