domingo, 8 de abril de 2012

Vaidades das vaidades.. tudo é vaidade


Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? 
Eclesiastes 1:3

O vaidoso é um idiota (no sentido helênico da palavra aquele que só pensa em si mesmo) por natureza. Não falo da vaidade que quer deixar a si mesmo mais bonito, mais novo, mais forte, mais chique, enfim, mais qualquer coisa que agrade aos olhos. Falo do vaidoso estúpido que faz tudo na espera do agradecimento, do reconhecimento, das placas, dos títulos, das honras... Trabalhei em lugares em que as pessoas faziam lobby para colocarem seus nomes em prédios e salas antes de terem ao menos morrido.  Coisa que aliás, por desfeita, não fizeram até hoje para se fazer jus à homenagem. Conheci, na minha vida, pessoas que adulavam chefes para receberem um título qualquer de qualquer coisa só para ter uma cerimônia de honra e entrega de plaquinhas. Lidei com professores que adotavam uma postura de bajulação com alunos para não ficarem de fora das homenagens das festas de formaturas... Ao fim, plaquinhas, musiquinha “ao mestre com carinho”...
Vi, nesse mundo, almas que se alimentam de elogios, nomes, títulos e pompas que escondem o imenso vazio que trazem. Muitos desses, por essas terras andam, deixam seus nomes em prédios, ruas, estabelecimentos, praças e até cidades e, nesse rastro de suas vaidades, nos fazem até esquecer os canalhas que foram em vida. Afinal, a morte redime a tudo, já diziam os romanos.
Sem estender-me em elucubrações, talvez essa seja a real intenção em vida de sua sede por notoriedade e reconhecimento. Cobrir com placas e louvores tudo que ele não fez, tudo que ele não foi.

Postar um comentário