sábado, 10 de setembro de 2011

O homem e o gato

Acordou e sentiu que algo estava diferente. Seu corpo estava coberto de pelos longos, seu nariz era agora meio achatado e os bigodes finos e compridos se espalhavam a partir de sua bochecha. Levou as mão em direção ao rosto e constatou que não tinha mãos, mas uma pata cinza e peluda. Parecia um pesadelo e naquele momento, se lançou em busca de um espelho. A pressa era tanta que nem percebera que corria de quatro enquanto um longo rabo em riste fazia sombra na parede. 
Olhou no espelho. Sim. Era um gato. Um gato da raça persa, gordo e peludo.. Por um momento ficou chocado com tudo, mas de súbito acomodava a sua condição. Afinal, poderia ter virado uma barata ou algo pior. Pensava, em sua lógica, agora de gato, haveria algo pior do que uma barata? Sim. Um rato, um ratão cinza de esgoto... já começava a pensar como um gato.
Procurou uma cama, deitou-se na parte contrária a cabeceira, mas não sem afofar o local, alongar as costas com o rabo espichado e se deitar como quem se enrosca em si mesmo. Segundos foram necessários para começar a ronronar levemente. O dia estava frio e o seus sonhos eram povoados de bolinhas de lã e sofás para afiar a unha.
Subitamente, sua esposa entrou no quarto e perguntou: 
- O que você está fazendo na cama deitado igual a um gato?
Levantou a cabeça, abriu somente um dos olhos e com a altivez dos gatos, voltou a ronronar.
Postar um comentário