sábado, 17 de setembro de 2011

Adelina fatalista e a socialização da desgraça

Adelina não poderia se definida como uma pessoa invejosa. Não. Não se tratava disso. Nem tão pouco seria bem classificada como uma pessoa egocêntrica. Muito pelo contrário. Entretanto, corroia-lhe o sentimento de socializar suas desgraças e pequenos infortúnios. Se uma forte dor de garganta lhe atingia, aceitava com resignação, mas a incomodava que aquele mal só estivesse atingindo a ela. E os outros?
Se ficava no trabalho até tarde, aceitava com paciência, mas retorcia-se de ódio quando via as pessoas saindo do prédios ao final do expediente. Enfim, era uma pessoa dada a socialização do infortúnio. Aceitava se lascar, contanto que todos se lascassem junto com ela. Entendia a desgraça como algo que poderia tocar a todos, inclusive a ela. Mas por que só ela? Aceitaria perder alguns dentes, contanto que o mundo fosse feito de banguelas.
Era a socialização da fatalidade. Disso, Adelina não abria mão. 
Num dia de chuva, esperava o ônibus para voltar para casa. Um carro descontrolado subiu a calçada e diante da inevitável iminência do atropelamento, olhou para os lados tentando ver se havia alguém que poderia puxar para ser atropelado com ela. Não havia ninguém e aqueles segundos gastos com isso deixaram-na na impossibilidade de tentar se safar.
O impacto foi fatal.
Sob sua lápide, um epitáfio que somente poucos souberam o real significado: Por que só eu?

Postar um comentário