sábado, 26 de março de 2011

Dados estatísticos e outras balelas

Recentemente, li uma pesquisa que apresentava dados que apontavam que as mulheres ainda recebem 13% a menos que os homens. Acho essas pesquisa mal intencionadas e tendenciosas. Mostram os dados, mas para qualquer pesquisador sério, ficam abertas uma série de perguntas. Onde foi feita? Com quem foi feita? Qual o grau de instrução dos pesquisados? Quanto tempo tinham no exercício da função? Se foi numa mesma cidade como São Paulo, em que região foi feita? Houve contraste de regiões ou só se focou em uma? Essas e mais uma dezena de perguntas sobre as quais nunca se fala continuam em aberto. Vamos comparar, então, mulheres e homens com a mesma idade, com o mesmo tempo de trabalho, com a mesma formação, em empresas equivalentes (ou na mesma), em uma mesma região de uma cidade. Se aparecerem dados que apresentam essa distorção, dou o braço a torcer de que talvez exista alguma seriedade nesses levantamentos de dados.
No mais, vejo um discurso que interessa a uma doutrina sexista cada vez mais ingênua que considera que conquista feminina é chamar a líder eleita do país de presidenta porque ela é mulher. Tenha paciência.

P.S.: Até hoje, não apareceram os contracheques e os currículos dos seus donos que comprovem essas pesquisa. Mistério... Basear-se em dados superficiais de informações oferecidas por amostragem, nesse caso, é bem desonesto.
A quem interessa a eterna manutenção da guerra dos sexos?
Postar um comentário