sábado, 2 de outubro de 2010

Gênios por 3 segundos... Cadê minha platéia

Às vezes, bate um orgulho de umas coisas tão bestas... A gente está procurando um objeto perdido há anos, aí pensamos: ah.. Está no armário da área de serviço.. Caminhamos triunfante e, ao mesmo tempo, vacilante na certeza inicial. Chegamos lá e o previsível acontece: Não está.
Mas e quando está...? Ah, sentimo-nos um primor de organização e equilíbrio. Dá uma vontade de sair gritando: viu, e depois dizem que eu deixo minhas coisas largadas, uma zona... Ah.. triunfo!
E quando, de forma disciplicente e sozinhos (isso sempre acontece quando estamos sozinhos) jogamos uma bolinha de papel no cesto há uns 5 metros e a bolinha caprichosamente quica na beirada como se equilibrasse por um segundo e depois tomba suavemente cesto adentro.. Ah.. caraca! Todo mundo pensa: se eu quisesse fazer não faria... E ninguém aqui para ver isso. Será que a câmera de segurança do escritório pegou?
A vida é assim. Passamos décadas nos sentindo mais um na multidão e, no dia em que somos tocados por uma genialidade casual, estamos numa arena existencial sem platéia.
Por outro lado, quando falamos uma besteira, quando espirramos e molhamos tudo por perto, quando nossa calça se rasga numa abaixada, quando escorregamos e pagamos um micão, tenha certeza, sempre o cerca uma multidão que se você cobrasse ingresso, dispensava o seu emprego.
E eu me pergunto:
Onde estão estes infames nos nossos momentos de genialidade casual?

Postar um comentário