domingo, 7 de março de 2010

Diálogos circulares.

- Arnaldo, tava pensando em sair. Sei lá... dar uma volta.
- Onde você quer ir?
- Ah sei lá.. qualquer lugar. Tô tão sem ideia
- Não tenho idéia também.
- Qualquer lugar mesmo. Escolhe aí.
- Vamos a um cinema, deve ter um filme legal.
- Ah, não! Cinema... não. Prefiro alugar e ver em casa.
- Teatro...
- para ver o que? Tá tão sem peça interessante.
- Ué. Então escolhe qualquer lugar.
- Não escolhe você. Tô sem idéia.
- Huuumm. Vamos a um motel.
- Ai. Você só pensa nisso...
...
- Vamos ao shopping....
- Essa hora não tem mais nada para ver.
- Vamos ao zoo...
- Huum... Que programa de criança!
- Pois é... estou ficando sem idéia
- Sei lá, amor, uma coisa divertida...pensa aí.
- Futebol?
- Não tenho paciência pra estádio.
- Um restaurante?
- É talvez.. escolhe aí...
- Uma pizzaria?
- Ah, não massa não. Eu estou uma anta de gorda...
- Churrascaria?
- Não agüento aquela barulheira.. Vai escolhe aí.. qualquer lugar eu topo. Tô tão sem idéia...
- Lanchonete?
- Não.. Muito chulezinho.. queria uma coisa mais interessante que justificasse eu me arrumar. Eu não me arrumo nunca, né...

Meia hora depois...

- Sabe qual é o nosso problema, Arnaldo? Eu fico nessa casa, trancada, não saio nunca. Você não. Você sai, vai para o trabalho, vê pessoas diferentes... A gente precisa sair, passear.. sugere um lugar.. sei lá,... qualquer um.. me diz e eu topo. Tô tão sem idéia. Se não eu dava uma sugestão, mas poxa, Arnaldo, agora é com você. Eu não tenho que decidir tudo sempre, né

E Arnaldo espumava verde no canto da boca com o corpo largado sobre o sofá.

***

[Em homenagem ao dia 8 de março e à minha esposa Camilla que me tortura com essas coisas, mas por quem eu sou apaixonado e não vivo sem a ela]

Postar um comentário