quarta-feira, 24 de março de 2010

De frente para o crime - caso Nardoni em metáforas

"Está lá o corpo estendido no chão, em vez de rosto, uma foto de um gol, em vez de reza, uma praga de alguém. E um silêncio servindo de amém./ O bar mais perto de pressa lotou, malandro junto com trabalhador, um homem subiu na mesa do bar e fez discurso pra vereador..."

Há uns dois anos toquei nessa questão e toco de novo. O que leva uma pessoa que trabalha, estuda, tem compromissos sociais etc a deixar sua casa em uma manhã, logo próximo ao horário do almoço, pegar ônibus, metrô, gastar dinheiro, andar, sentir calor com esse tempo maluco ou tomar chuva com as pancadas dessa época do ano a ir para a porta de um fórum só para gritar "justiça, justiça...." Pela televisão vi que havia gente até com banquinho para encontrar um bom lugar de onde pudesse gritar "justiça, justiça", ser filmado pela TV e ser ouvido por quem quer que seja.
Não entendo a motivação disso tudo. Não prego a indiferença, muito pelo contrário, mas essa mobilização me parece algo tão sem sentido, tão sem rumo. Ao chegar em casa, depois de sua manifestação de indignação, ficam indignados também com as atitudes do Dourado no BBB, ou com as traições do Marcos na novela. Trocamos o banquinho pela poltrona, trocamos as câmeras pelo anonimato das paredes de nossa casa e mantemos a torpe "solidariedade" sem sentido que move a tanta gente para a janela de frente pro crime. A música de João Bosco e Aldir Blanc nunca foi tão atemporal.

"Sem pressa foi cada um para o seu lado, pensando numa mulher ou num time. Olhei o corpo no chão e fechei minha janela de frente pro crime. Veio o camelê vender anel, cordão, perfume barato. baiana pra fazer um bom churrasco de gato..."

7 comentários:

Eduardo Montanari disse...

A maioria das pessoas não fazem isso por hipocrisia, é que elas tem um senso de justiça distorcido. Tudo bem, seja como for é um apoio. Não creio que estejam fazendo nada de errado, mas ao mesmo tempo, acho que não é necessário isso pra mostrar indignação.

Pensador Louco disse...

Excelente postagem, camarada. As pessoas ainda protestam, ainda vão às ruas, ainda se irritam. A diferença é que hoje elas têm quem diga a elas com o que, quando e como devem protestar, ira às ruas, se irritar. O livre arbítrio da nossa realidade é ditado, infelizmente, pela TV.

Abração, adorei o texto.

Marcus "OROCHI" disse...

Marcelo, onde assino? E tem mais, aposto que estas mesmas pessas que vão clamar por "justiça" nas ruas também gostam de comprar CDs e filmes piratas, ficam quietos quando recebem troco a mais e dizem que não estão nem aí quando políticos estão roubando, desde que não mexa em seu salário. Não que nenhum de nós tenha feito nenhuma das coisas acima, mas pelo menos não ficamos perdendo meu tempo pregando por aí um falso moralismo em cima de um caso que não é isolado, apenas teve mais ibope por ser uma menina de uma classe social mais elevada.

Trevo sem Folhas disse...

De fato ainda é impressionante que pessoas venham a um forum protestar por um crime.Porém não usam a mesma energia para se fazer ouvido em protesto contra o governo,contra a precariedade dos serviços públicos ou contra a deficiência na distribuição de renda. Será que o patamar dos orgãos públicos transcedem os limites humanos? Ou será que nem mesmo estas pessoas sabem o que estão realmente fazendo?

Vavá disse...

Marcelo,
Como sempre, boa e precisa observação do cotidiano.
Penso que a distorção vem de uma mistura de compaixão pelo sentimento alheio com a falta de educação que predomina no nosso país.
E a TV que poderia fazer uma reflexão, via de regra se omite.
Abraço

Rodrigo disse...

bom, a algum tempo, essa tragédia que aconteceu, uma simples e inocente menina assassinada pelos pais, achei uma barbaridade, na épica eu tinha tempo para acompanhar esses assuntos, eu li sobre a perícia no apartamento, e pelo que eu li nao me restaram dúvidas de que foi realmente o pai de isabela que a matou, porém, como hoje em dia eu não tive muito tempo de acompanhar o julgamento dos pais de isabela, eu achei ótima a decisão do juri, só pelo fato deles estarem presos, isso já é ótimo!
Após cinco dias de julgamento com a expectativa do público de condenação do 'caso nardoni' o Alexandre Nardoni e Anna Carolina foram condenados, pela acusação da morte da Isabella Nardoni, no qual ocorreu em meados de março de 2008,(no qual isabella tinha 5 anos), ele condenado a pouco mais de 31 anos de prisao, e ela a quase 27 anos de prisão, porém a decisão do Juiz Maurício Fossen foi meio polêmica, pois com Sete pessoas, três homens e quatro mulheres no júri, ele interrompeu a votação quando a contagem chegou a quatro votos favoráveis à condenação, segundo ele, o objetivo foi garantir o sigilo da escolha de cada jurado, mas porque nao votam todos os juris?

bom mas eu acho que nao só eu como todos que acompanharam o caso, temos muito o que agradecer ao promotor de justiça Francisco Cembranelli, e a todas as testemunhas como o médico do IML da perita e da delegada.

Nany disse...

Ainda me pergunto aonde foram parar o povo da época de Getúlio Vargas?. Que lutavam pelos seus ideais, pela melhoria não só do Brasil, mas sim do mundo.
É realmente fascinante ver que as pessoas que acompanharam o caso Nardone tenham buscado justiça.
Todavia, me pergunto se a televisão, a internet, o jornal entre outros meios de comunicação não tenham influenciado esse modo das pessoas pensarem ou agirem. Milhões de pessoas morrem todos os dias assassinadas, morrem de desnutrição e até mesmo por falta de leitos em hospitais.
Ora bolas, me digam então se isso não é motivo de ir em busca de justiça.
Qual a diferença do caso Nardone para estes acontecimentos que acabei de citar? Por que os meios de comunicação focaram tanto este assunto? Por que não focam também a realidade no nordeste brasileiro?
afinal se lutarmos, se batermos o pé, se aprendermos a ter voz ativa, podemos mudar o mundo e não somente um veredito.
" NÓS SOMOS BRASILEIROS NÃO DEVERÍAMOS DESISTIR NUNCA, NÃO É MESMO?"