sábado, 6 de fevereiro de 2010

Dicas de uma boa palestra - falando e sendo ouvido!



Palestra de mais de 60 minutos é um convite à dispersão e o pior é que o palestrante, muitas vezes, nem se dá conta disso. A comunicação oral é precedida de regras que a diferenciam de outras modalidades como a escrita. E, mesmo dentro da modalidade oral, ainda há distinções pois, uma apresentação de uma aula faz parte de um contexto imenso que ocupa um semestre ou um ano, já uma palestra para um público sobre um tema ocasional pede uma dinâmica muito mais ágil do que a usada em uma aula. O fato é que muita gente não sabe, ou ignora isso, fazendo de suas palestras uma tortura medieval que nos faz questionar que a morte não é a pior coisa do mundo. Mas eis que há cinco dicas para não ser o palestrante enquadrado no crime contra a humanidade (tortura).

1. Não abuse do tempo. 45 minutos é o mínimo, 60 minutos o ideal, 90 minutos é um exagero. Ninguém presta mais atenção e uma boa parte dos ouvintes já saiu para atender celular e não voltou mais. Observe.
2. Acredite. A sua platéia, principalmente em uma universidade, é alfabetizada. O que dispensa que você leia um papel para eles ou que fique lendo os slides de powerpoint que você está projetando.
3. Interaja com a platéia, exemplifique, mude o tom de voz. Uma pessoa falando, falando, falando... na sua frente de forma monotônica... sem retorno de quem ouve... dá um sono equivalente a uns 3 comprimidos de Alprazolan de 1 mg. Eu conheço esta experiência...
4. Seja espirituoso. Programa sua palestra para assumir tons de humor e provocar alguns risos. Rir libera endorfina, causa prazer, aumenta a memorização e cria empatia com seu público. Programe-se para fazer as pessoas se divertirem e aprenderem.
5. Evite apresentações teóricas para públicos ecléticos. As pessoas sabem que você sabe muito, por isso, pule essa etapa e vá direto a como a teoria se aplica ao dia-a-dia delas. Fale fácil, exempliqfique. Nunca se esqueça de que falar difícil é fácil. Difícil é falar fácil. 

Agora, na próxima palestra, você conseguirá entender melhor por que é tão pesado suportar certas pessoas falando e outras, quando termina a apresentação, dá um gostinho de “quero mais”.

Postar um comentário