domingo, 5 de julho de 2009

Complexo de mosca do cocô do cavalo do bandido

O esporte preferido do brasileiro é o futebol e o segundo esporte preferido é falar mal do Brasil. Sempre achei estranho esse complexo de patinho feio que nutrimos desde o tempo de colônia. Tudo aqui é pior, mais zoneado, mais esculhambado, mais menos, entende?
E eu sempre comprei esse peixe até sair do Brasil pela primeira vez e ver que há países em que as pessoas comem pipoca em jornal em forma de canudo, há pessoas que fumam dentro de um elevador ao seu lado, há colegas que assoam o nariz à mesma durante um almoço ou mesmo. Conheci lugares onde é mais fácil comprar uma pistola 9 mm do que uma cerveja em uma lanchonete.
Eita, mundo bizarro! Esquecemos que temos um modelo de eleição informatizada padrão de qualidade internacional, que temos tecnologia de ponta em várias áreas como extração de petróleo, siderurgia, produção de biocombustíveis, que temos um conjunto de fundamentos econômicos sólidos que não permitiram que a crise chegasse aqui como um Tsunami... Enfim, que não somos uma Coréia do Norte ou uma Etiópia, nem também nos aproximamos de nossos vizinhos como Venezuela, Bolívia ou Equador...
Somos o Brasil, umas das maiores economias do planeta, quase 200 milhões de consumidores, uma democracia que optou pelo progresso e a influência internacional pelas vias legais e civilizadas. Não alimentamos máquinas militares e decidimos que energia nuclear é só para gerar energia elétrica, mais nada. Pregamos o livre acesso à informação e repudiamos toda e qualquer forma de censura. Defendemos o direito de falar o que quiser (ainda que ninguém o ouça) e arcar com isso.
Temos problemas aos montes assim como os colegas de primeiro mundo que viraram um chavão na linguagem quando queremos nos referir a algo muito bom. Coisa de primeiro mundo...
Enfim, comemos pipocas em saquinhos feitos para isso, repudiamos fumo em lugar fechado e achamos limpar nariz à mesa uma porqueira sem fim.

6 comentários:

Alvaro disse...

Muito bom, cara. Precisamos mesmo de textos que aumentem nossa auto-estima e que nos façam ter orgulho de nossa origem tupiniquim. mesmo que alguns políticos não mereçam esse orgulho.

Nando disse...

É importante exercitar esse pensamento. Acho que o brasileiro precisa gostar de sua terra, para torná-la melhor. Acho também que a comparação do Brasil com os países da Europa é uma covardia. Os caras são muito mais antigos que nós. Já percorreram um caminho muito mais longo que o nosso. Acho que a comparação genérica com qualquer outra terra é pura má vontade com o Brasil.

Ellen Regina disse...

Olá Marcelo! Quanto tempo, heim!
Passei por aqui para saber como vai o blog...

Quanto ao post... também já estive fora do Brasil e a saudade que eu senti de tudo aqui foi imensa. Das pessoas em geral ao feijãozinho com arroz de cada dia.

Seu post me fez lembrar uma propaganda engraçadíssima das havaianas: http://www.youtube.com/watch?v=nLPv8R2L6ZE.

Aline Dias disse...

Somos o máximo!
(e não temos terremotos)

ERNANI disse...

Olá Marcelo.
Passando para conhecer seu blog, e lhe parabenizando, é bom saber que temos alguém no CESVA antenado nas novas tecnologias.
[]'s

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Simoplesmente perfeito, esse seu artigo deveria vir nas cartilhas da escola ao lado do hino nacional.

Eu quando viajei para Portugal e Espanha, pude ver como nosso país é maravilhoso e que problema existe em todo lugar.

abraços!!!