quinta-feira, 28 de agosto de 2014

As coisas têm gosto de quê?

Quando a gente nunca comeu algo, costuma-se a fazer a célebre pergunta: tem gosto de quê? Ou ainda, parece com o quê?
Na verdade, nada se parece com nada. Rã tem gosto de quê? Putz, sei lá, meio frango, meio peixe, mas não crie expectativas... é diferente dos dois. Gosto é uma percepção intangível para quem não prova e, normalmente, inadequado às palavras de que dispomos no nosso vocabulário.
Pior ainda são os gostos de cheiro. Aquelas coisas que tem o gosto do cheiro de outra. Por exemplo, sempre achei que alguns tipos de maçãs têm gosto de cheiro de Superbonder... vai entender...

Agora, há as coisas que têm um gosto tão bom que não encontramos uma palavra que dê conta de tudo que aquilo nos passa. Há sensações que se somam e quando buscamos na memória a cena em si, derretemo-nos na inefável percepção de um mundo sem palavras, mas que guarda significados tatuados na nossa alma.

***
Que tal café com pão fresquinhos, em casa de avó, em período de férias no fim de tarde? Lembre... não consigo encontrar algo que defina o que me vem quando penso nisso.

***
E caderno novo? O cheiro do caderno novo que combina com a sua letra linda dos primeiros dias... até porque, a partir da segunda semana de aula, retomamos o garrancho do ano anterior.

***
Barulho de embalagem de presente em dia de Natal e o cheirinho de plástico do brinquedo novo... Você já sabia há meses o que ia ganhar, mas o culto à espera aumentou sua ansiedade à 10a potência.

***
Primeiro dia de aula em escola que você não conhece ninguém. Falta lugar para você colocar a mão, os bolsos não são suficientes, e você é um peixe fora d’água.

***
Andar de bicicleta. Você sai meio trêmulo, o guidão vira de um lado para o outro. Finalmente, te soltam e você pedala livremente. Sem curvas é claro... isso é uma segunda etapa.

***
A sua primeira caixa de bombom sem restrições ao consumo. Você passou a vida inteira com aquela coisa de não poder comer tudo, aí, um dia, adulto e dono de seu nariz, se vê diante de uma caixa que não lhe oferece restrições. Não aprecie com moderação.

***

A primeira ficada (com beijo) e os pensamentos atordoantes. E seu beijar errado? O frio na barriga e a sensação de proibido. Putz... eu raspei o dente...

***
A lista é grande:
A primeira viagem sozinho (Desafio e, no fundo, um certo cagaço natural);
Cheiro de chuva em dia de calor...
O primeiro salário (parece uma fortuna);
Cheirinho do (seu) carro novo (dá vontade de passar para a roupa o cheiro);
Arrependimento da 1ª ressaca (Garrafa na TV dá náusea nesse dia);

De que isso tem gosto?

E, finalmente, as palavras acabam antes de servirem para dizer o que eu precisava dizer... Afinal, as coisas têm gosto de quê?

15 comentários:

André disse...

talvez em relaçao as coisas que voce falou eu esteja meio spock/ sem sentimentos/ o passado nao volta/ ja nao existem mais coisas novas para provar ou desafios que a gente nao saiba controlar a ansiedade/ por vezes a maturidade e a vivencia nós tornam pessoas sem graça - o texto é emocionante mas pelo menos para mim nostalgia nao faz bem.

Wander Veroni disse...

Oi, Marcelo!

Engraçado como as palavras tem esse poder de ativar a nossa memória por meio de lembranças, seja por recordações de coisas que vivemos, como dos cheiros e gostos. Ao ler o seu texto, cada relato me convidava a lembrar e a reviver as coisas que estão guardadas na mente. Ah, quanto a maçã, no caso da maçã argentina, sempre lembro do cheiro/sabor de isopor. Eu nunca comi um isopor, mas na minha cabeça associei isso...rs.

Abraço

Trevo sem Folhas disse...

Sem falar em um curso do Senai que participei e que um dos colegas ao receber uma apostila nova, a levou ao nariz, cheirou e disse que tinha~cheiro de pão fresco...reminiscência curiosa.

Flávia Damato disse...

Acrescento outra sensação absolutamente especial, por se tratar de uma que só as mulheres podem ter: o nascimento do 1º filho (digo 1º, por ser ainda algo novo). É tão maravilhoso que qualquer palavra na tentativa de descrevê-lo seria insuficiente.

Realmente, a lista é grande e, a medida que amadurecemos, acredito que as sensações se modificam, e algumas, talvez, tornem-se ainda mais especiais.

O importante é que todas as sensações sempre serão únicas em nossas vidas, umas com gostinho de quero mais, outras com gostinho de alívio por fazerem parte apenas da memória.

Bjs!!!

joselito bortolotto disse...

Cara

Neste negócio, que gosto têm? Eu sou um tanto besta. Acabo sentindo primeiro com os olhos, as vezes com o ouvido e até mesmo pelo tato. Então acabo "Não comendo e não gostando".

Alterado disse...

não é a toa que ainda não entendemos 100% da complexidade do nosso organismo e a extensão de toda a nossa memória afetiva .

Muito bom este post

parabéns

PS : tem um selo para você lá no meu blog , fique a vontade em aceitá-lo ou não

Abraços

Josiane disse...

Ei, perfeito o post, amei!!!

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Tem coisas que não temos como decifrar, seja o gosto de um chocolate esquecido na geladeira, a felicidade de achar dinheiro no fundo da gaveta de cuecas entre outra sensações que não podemos decifrar.

Beth Ribeiro disse...

Oi.Indiquei teu blog pra receber o Selo Maneiro.Se te interessar (espero que sim),passe lá no meu blog e pegue,ok?Obrigada!

Beijos

Anônimo disse...

Primeiro você nos remeteu a lembraças do passado com seus gostos e cheiros inesquecíveis.
Depois, ao presente, onde somos mais prudentes e comemos com os olhos e as narinas antes de pôr qualquer coisa na boca e onde temos a liberdade de comermos sem restrições aquilo que gostamos. Mas pode dar ressaca, então, comer sabendo que não vai nos fazer bem, nos ajuda a qualificar e quantificar o que ingerimos, seja alimento, informação ou qualquer outra coisa. Sucesso.

Dani M. disse...

Olá,
Hoje é a minha primeira visita aqui!
Adorei o texto ri muito de mim pensando "nessas coisas que tem gosto do cheiro de outras", pq sempre pensei isso ams nunca ousei comentar porque fico achando que as pessoas não vão entender. Ai que alívio ver que tem outros de mim por aí, hahahaha...
Ah e agora estou em uma fase muito importante experimentando o gosto e o cheiro da minha casa nova, minha primeira casa(suspiros).Que emoção!
Bjo moço e me visita também.
Inté!

Laila disse...

Sempre achei que biscoito club social de cereal tem gosto de cheiro de incenso.
Outros cheiros inconfundíveis são o de protetor solar no primeiro dia de praia, de livro novo, de roupa lavada.
Linda postagem: sentimental na medida!

disse...

Os melhores gostos e os melhores cjheiros são os da infancia....
Casa de vó, brincadeira de roda
Pura nostalgia!

Anônimo disse...

Gripada como estou, no momento as coisas não tem gosto de nada...

All3X disse...

Perfeito, sempre ficava pensando algumas vezes no quê exatamente aquela maçã me fazia lembrar, é interessante sim, Superbonder e isopor são semelhantes.
A sensação de achar dinheiro no fundo da gaveta também é boa. Trocaria a sensação de caderno novo pela de livro novo. Adoro.
Somos levados pelos sentidos, por isso queremos explicar todas as coisas com seu auxílio. Algumas vezes funciona.
Até mais Marcelo,
All3X