sábado, 13 de dezembro de 2008

Todo mundo quer ficar bem com todo mundo o tempo todo.

Bom... Não dá. Isso não dá mesmo.
A necessidade de aceitação que as pessoas têm faz com que elas ajam de maneira completamente estúpida e queiram estar bem com todo mundo o tempo todo.
Olha... Desista. Isso não dá.
Vejo muito isso na faculdade, mas o aluno sempre acha que a gente não vê. Os trabalhos em grupos são sempre marcados por uma figura única: o sanguessuga. O sanguessuga é um cara legal. Normalmente se esconde por trás das seguintes desculpas: trabalho excessivo, problema de saúde, limitações pessoais. O que ele quer é um grupo bem esperto para fazer o trabalho para ele e, quando muito, ele se encarrega de passar a limpo um texto sobre um assunto que ele não faz idéia do que se trata. E assim, normalmente, ele se forma.
Mas e quem diz isso para o cara? Todo mundo quer ficar bem com todo mundo. Ah sim... Toda solidariedade cai por terra quando o grupo tira uma nota baixa e saem botando culpa em todo mundo que não ajudou... Aí é roupa suja para todo lado.
Já conheci casos de alunos que, vivendo tanto nas costas dos outros, tinham que pensar duas vezes para responder que curso faziam. Pensei até um dia de ouvir: fulano, que curso a gente faz mesmo? Ainda não duvido dessa hipótese.
Queremos ser gentil também quando dizemos: aí, passa lá em casa. Isso é entendido pela maioria das pessoas como um figura retórica característica do discurso de gentileza. Pois é, a maioria entende assim. Não todos. E depois fazemos o quê? Agüentamos para não ficar mal com a pessoa.
Eu mesmo, por exemplo, durante anos tive problema com carona. Sempre sentia que dando carona a alguém na estrada eu estaria abrindo um precedente cruel (tenho um post sobre isso aqui). Entenda: se não conheço o cara, não fica chato passar direto e não dar carona, mas se eu dou carona uma vez, já se caracteriza como um conhecido....
Veja só. Aí vem o drama de consciência...Que canalha sou eu ao não dar carona a um conhecido!? Do outro lado, o caroneiro ficará chateado comigo: poxa vida! O cara me conhece e nem parou...
Dessa forma, prefiro não criar contatos, prefiro não nos conhecermos... Melhor para nós dois. Seremos mais felizes assim.
Mas mesmo assim, assumida essa postura, durante muito tempo, eu me senti na obrigação de justificar que não daria carona com o movimento de mão indicando que iria entrar logo adiante...
Foi aí que eu pensei:
- Cara, para que justificar uma coisa para uma pessoa que você nem conhece, para a qual não deve nada e não tem qualquer vínculo ou interesse? Caiu-me a ficha de que eu estava justificando para mim mesmo. Justificando para a nossa eterna necessidade humana de ficar bem com todo mundo o tempo todo.
Não dá. Definitivamente, não dá.


Postar um comentário