sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Da série ambiente de trabalho VI: o prestativo mal compreendido.

Puxa-saco é o escambau. Por ali, todo sujeito prestativo se confundia com puxa-saco e isso não era verdade. Cornélio era prestativo mal compreendido.
Quando pediam um voluntário, logo ele pulava na frente, depois iria descobrir do que se tratava. Entendia que o chefe era alguém de visão e que precisava de aliados para cumprir sua trajetória messiânica. Achava isso de todos os seus chefes em sua vida.
Sentia o seu momento de glória em velório de parente do chefe. Podia chegar perto, fazer cara de profunda tristeza, bater no ombro e dizer: meus sentimentos.

Considerava sempre de bom tom levar para o chefe alguma lembrança de suas viagens: ora a Caxambu, ora Monte Sião, ora Belford Roxo na casa de uma tia de sua esposa. O importante não é o valor, mas a lembrança. Isso é o que marca.. sempre dizia e repetia.


Mas naquele dia, já eram 10 horas e Cornélio não tinha dado as caras. 11, 12, 13... e nada. Já iam ligar para casa dele quando chegou um menino trazendo um atestado médico. Cornélio havia sido internado depois de um grave AVC, mas o que comoveu a todos foi um detalhe nessa história.
Nos últimos instantes de consciência, ainda restou-lhe forças para um último ato...


Junto ao atestado havia um bilhete meio amassado escrito a mão de letra trêmula:


Chefe, se o senhor espirrar na minha ausência...

Saúde!



Leia também...

Da série ambiente de trabalho I: O doente conveniente... o coitadinho!

Da série ambiente de trabalho II: O preconceito... o perseguido!

Da série ambiente de trabalho III: O amigo do chefe

Da série ambiente de trabalho IV: O afilhado do Almeida
Da série ambiente de trabalho V: o bonzinho.



13 comentários:

Beth Ribeiro disse...

Ahahahaha...Muito bom!(Pior que existe gente assim - vivem função de lamber as bolas de alguém - e normalmente,são os mais f@#$**** dentro da empresa...
Boa sexta!!Bjs

Lilian Devlin disse...

Marcelo,
O duro é que é assim mesmo.Em todo ambiente de trabalho temos essas figurinhas e nem com saco de filó (sem fundo! rs) a gente 'guenta!
Abs!

Deka disse...

Merece ser canonizada uma pessoa dessas... Aff, e conheço uma que "quase" teve o mesmo gesto!

Flávia Damato disse...

Empregados Cornélios, ALUNOS Cornélios... O mundo tá cheio deles, não dá p/ escapar; são como pardais, têm em todo lugar. rs

P.S.: Entendeu... Não entendeu??? rs

Bjs!!!

Cruela Cruel Veneno da Silva disse...

kkkkkkkk
eu já conhecia essa piada, mas temos que concordar que o cornélio é muito dedicado.

Anônimo disse...

Vai ter uma série de categorias de chefes também?

Evandro Varella disse...

Teu talento tá desperdiçado... Max Gheringer que se cuide!
Abraços

Marcio Sarge disse...

Marcelo melhor parar com essas séries, logo vamos ter um tratado de puxasaquismos e o ambiente no trabalho vai ser insuportável.

Esses caras vão elege-lo como Grão Mestre do puxa saco moderno.

Lomyne disse...

Sabe, às vezes as pessoas são mais próximas, mesmo... Seu pequeno conto realmente se enquadra na minha definição de puxa-saco, mas de vez em quando alguém é visto como puxa-saco sem ser. Às vezes as pessoas se tornam amigas. Veja, eu disse que às vezes...

Anônimo disse...

Essa fotografia é do Presidente da República Portuguesa.
Desculpe mas não vejo a relação com o texto.

Marcelo disse...

Não fazia idéia de quem fosse aquele desenho que achei no google. Obrigado pela informação. Não.. não há relação alguma com o texto e o personagem.. é que o homem desenhado tem cara de alguém tão prestativo, tão bonzinho, tão dócil, tão gentil... o desenhista ainda colocou uma auréola de anjo e duas asas..
Caiu como uma luva.
Realmente, não sei se tem alguam coisa a ver com o personagem real.
Um abraço

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Eu ainda não trabalhei com "Prestativo e mal compreendido", mas pela descrição fica fácil identificar...


http://hdebarbamalfeita.blogspot.com/

All3X disse...

Ah, sempre soube que existiam gênios mal compreendidos, prestativos então nem se fale...